Tópicos em alta: polícia / crise fiscal / campeonato mineiro

Restaurante Popular deve abrir em julho

Flávio Checker cobrou uma definição do modelo de gestão do restaurante O Restaurante Popular de Juiz de Fora será inaugurado no final de julho ou início de agosto. Este foi a cronograma divulgado ontem pelo secretário de Planejamento e Desenvolvimento Econômico, André Zuchi, em audiência pública sobre o tema, na Câmara Municipal. Segundo ele, a […]

Por Tribuna

20/04/2011 às 07h00

Flávio Checker cobrou uma definição do modelo de gestão do restaurante

Flávio Checker cobrou uma definição do modelo de gestão do restaurante

O Restaurante Popular de Juiz de Fora será inaugurado no final de julho ou início de agosto. Este foi a cronograma divulgado ontem pelo secretário de Planejamento e Desenvolvimento Econômico, André Zuchi, em audiência pública sobre o tema, na Câmara Municipal. Segundo ele, a Prefeitura realizará pesquisa sobre os impactos sociais e econômicos da implantação do negócio. As preocupações, de acordo com o secretário, são com os prejuízos para pequenos estabelecimentos que comercializam refeições no Centro e o possível risco de corte de mão de obra e fechamento de empresas.

A proposta não foi bem recebida pelo vereador Flávio Checker (PT), que solicitou a audiência. Segundo ele, nas cidades em que há o empreendimento não teria havido impacto negativo no comércio. Checker concentrou a cobrança na definição do modelo de gestão do Restaurante Popular. O vereador chegou a propor a criação de uma comissão para discutir o tema, formada por membros do Executivo e do Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (Comsea), mas a audiência foi encerrada sem essa definição.

O conteúdo continua após o anúncio

Zuchi considerou o debate sobre a gestão "um pouco atrasado", mas destacou a preocupação e a importância com a sustentabilidade do negócio após a sua inauguração. Ele informou que os equipamentos já estão licitados. A presidente do Comsea Juiz de Fora, Bettina Koyro, lembrou a luta antiga pela implantação do restaurante, que perdura por sete anos, o fato de 166 mil pessoas estarem em situação de insegurança alimentar na cidade e a meta de comercializar três mil refeições por dia, a partir da produção dos agricultores familiares da região.

Banco de Alimentos

A criação de um banco de alimentos no município também foi discutida. Conforme Zuchi, no dia 5 de maio, será encaminhada proposta ao Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), visando a conseguir recursos da ordem de R$ 450 mil para implementar o projeto na cidade. A intenção é que o núcleo receba doações de alimentos impróprios para comercialização, mas adequados ao consumo. Os itens deverão ser repassados a instituições da sociedade civil sem fins lucrativos que produzem e distribuem refeições gratuitamente a pessoas em situação de vulnerabilidade alimentar. O secretário comentou que o núcleo deverá ser instalado na Ceasa Juiz de Fora e viria "a reboque" do Restaurante Popular. "As duas propostas estão bem encaminhadas, mas é preciso ter um pouco de paciência", disse, referindo-se ao trâmite burocrático das iniciativas. Checker contra-argumentou com o chavão "quem tem fome, tem pressa". A princípio será oferecido no Restaurante Popular apenas almoço. O valor das refeições, que deverão ser subsidiadas pela Prefeitura, e a quantidade ofertada seguem indefinidos.

Uma preocupação destacada pelo secretário de Agropecuária e Abastecimento, Airdem Assis, é em relação à quantidade de alimentos produzida pelos agricultores familiares da região. Segundo ele, na primeira chamada para o Programa Nacional de Alimentação Escolar, os produtores conseguiram arcar com apenas 45% das quantias acordadas. Com isso, R$ 72 mil dos R$ 160 mil destinados ao programa não foram utilizados. Na segunda chamada pública, o percentual aumentou para 80% dos R$ 246 mil destinados. No entanto, disse Airdem, das cinco toneladas de queijo minas frescal que seriam disponibilizadas pelos produtores, nenhuma foi fornecida para as refeições nas escolas contempladas.

 

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia