Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Perfis falsos de escola em JF disseminam bullying e violência na internet

Fotos de jovens seminuas, além de ameaças a alunos, também foram publicadas nas redes sociais


Por Tribuna

23/06/2022 às 18h28- Atualizada 23/06/2022 às 18h52

Perfis falsos da Escola Estadual Henrique Burnier foram criados em redes sociais e têm disseminado mensagens incitando violência e bullying, além de ameaças a alunos e fotos de jovens seminuas. A direção da escola, localizada no Bairro Poço Rico, Região Sudeste de Juiz de Fora, registrou o caso em boletim de ocorrência, na manhã desta terça-feira (23). A Tribuna teve acesso ao documento, que cita links de três páginas no Instagram. Duas delas, entretanto, já haviam sido excluídas na tarde desta quinta. A outra, teve todas as publicações apagadas.

Conforme a ocorrência, a Polícia Militar orientou a direção da escola a procurar a Polícia Civil para dar prosseguimento às investigações. Os estudantes que se identificarem como vítimas das ameaças e exposição de imagem sem a devida autorização devem, juntamente com os seus responsáveis legais, fazer a queixa e o registro policial em uma delegacia da Polícia Civil.

O conteúdo continua após o anúncio

Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG) informou que “todas as providências foram tomadas pela direção da unidade de ensino, desde orientações em sala de aula até o registro do boletim de ocorrência, que é um procedimento padrão”.

A pasta estadual explicou que em casos como este, as equipes de segurança pública comparecem às unidades para averiguar as situações, prestar orientações necessárias e dar prosseguimento às investigações. “Não sendo constatados riscos aos alunos e servidores, as atividades pedagógicas seguem normalmente”, informou, citando que a Superintendência Regional de Ensino de Juiz de Fora está acompanhando o caso.

A SEE afirmou que desenvolve e estimula a realização de ações de combate à violência no ambiente escolar, e que a Polícia Militar também atua rotineiramente no ambiente escolar, por meio de programas com a Patrulha Escolar, que realiza rondas preventivas no entorno das unidades de ensino.

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia