Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Homem é condenado a 20 anos por assassinato dentro de cela da penitenciária

Lucas Cristiano matou companheiro de prisão por asfixia, após tê-lo estrangulado na Ariosvaldo


Por Tribuna

12/05/2021 às 17h49

Foi condenado a 20 anos e oito de meses prisão, em regime inicialmente fechado, Lucas Cristiano Elias Tibiriça, pelo assassinato ocorrido, em 2020, no interior de um cela da Penitenciária Ariosvaldo Campos Pires, no Bairro Linhares, Zona Leste. A condenação foi resultado do julgamento realizado nesta terça-feira (11), no Tribunal do Júri de Juiz de Fora, com sessão presidida pelo juiz Paulo Tristão.

Na data de 25 de junho do ano, o preso Luis Fernando Montagnassa, de 48 anos, foi morto por asfixia após ter sido estrangulado, sendo o condenado denunciado como o autor do crime. De acordo com a denúncia, estavam apenas os dois na cela, quando Lucas, com 32 anos na época, surpreendeu a vítima, impossibilitando a sua defesa.

O conteúdo continua após o anúncio

Ainda segundo a acusação, Luis Fernando foi morto de forma cruel, tendo o responsável pelo crime agido de forma torpe ao não aceitar que a vítima tivesse matado a esposa e a filha.

A sentença ainda destaca que a vítima foi morta dentro do sistema prisional, por meio de asfixia, primeiramente, sendo esganada com as mãos e depois tendo sofrido um golpe de mata leão, que a deixou inconsciente, para, em seguida, ser estrangulada com um cordão retirado do colchão da cela. Ainda alega a denúncia que o condenado agiu para não perder o respeito dos demais prisioneiros e que o comportamento da vítima não pode ter influenciado para sua morte.

Da condenação, cabe recurso junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG)

Conforme a Tribuna publicou na época do crime, policiais militares foram acionados na unidade prisional pouco antes das 20h. O agente penitenciário que encontrou o homem morto disse aos PMs que fazia uma vistoria de rotina quando constatou o crime. O preso estava já sem sinais vitais na cela. O policial penal e outros servidores do estabelecimento prisional disseram que não escutaram nenhum barulho atípico

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia