Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Polícias fazem nova ação após maior apreensão de drogas de JF e Minas

Manobra desencadeada nesta sexta identificou duas pessoas no Paraná do mesmo grupo criminoso


Por Gabriel Silva, sob supervisão da editora Juliana Netto, e Marcos Araújo, repórter

03/12/2021 às 12h43- Atualizada 03/12/2021 às 19h12

As polícias Civil e Rodoviária Federal deflagraram, nesta semana, a segunda fase da operação que prossegue as investigações sobre a maior apreensão de drogas da história de Minas Gerais, realizada em Juiz de Fora, no último dia 19. Na ação desta sexta, duas pessoas foram presas no Paraná, em manobra que também gerou apreensões de celulares, computadores, documentos e um veículo clonado. Os objetos serão utilizados para identificar os demais integrantes do grupo criminoso.

Policiais também apreenderam celulares, computadores, documentos e um veículo clonado (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão nas cidades de Toledo, Santa Helena, Francisco Beltrão e Itaipulândia, todas no Paraná, entre o dia 30 de novembro e esta sexta (3). As medidas judiciais foram expedidas após trabalhos investigativos realizados pela Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e pela PRF.

Quase nove toneladas apreendida

A apreensão realizada em Juiz de Fora foi de cerca de 8,7 toneladas de maconha, avaliadas em R$ 19 milhões, encontradas em duas carretas, no Bairro Barreira do Triunfo, na Zona Norte. Na ocasião, ainda foram presas seis pessoas, com idades entre 23 e 37 anos, três juiz-foranos, dois paranaenses e um paraguaio, além da apreensão de três veículos que faziam a escolta dos caminhões que carregavam o material ilícito.

A suspeita da Polícia Civil é que as drogas tenham vindo do Paraná. Os mandados foram cumpridos em empresas, sendo uma delas a de bebidas energéticas, detentora dos caminhões que estavam transportando a droga. “Nós fomos na sede desta empresa onde foi demonstrado, in loco, que ela não estava em pleno funcionamento. Tinha uma estrutura precária, os tonéis estavam vazios, não tinha o funcionamento regular”, afirma o delegado Armando Avólio, chefe da 1ª Delegacia Regional de Polícia Civil. “Isso tudo vai corroborar com a nossa investigação, nós vamos identificar todos desta organização criminosa para tirá-los de circulação e identificar o patrimônio deles também”, complementa.

O conteúdo continua após o anúncio

Conforme enfatizou o chefe do 4º Departamento em Juiz de Fora (4 DEPPC), Gustavo Adelio Lara Ferreira, essa operação – que contou com a participação de policiais civis do Departamento e da Delegacia Regional, com o apoio da PRF – foi concluída com êxito. “Demonstrando, mais uma vez, a eficiência das parcerias no combate ao tráfico e ao crime organizado”, conclui.

A PRF apoiou a Polícia Civil com 16 agentes que, costumeiramente, atuam no Paraná. “(Os policiais) conhecem profundamente a dinâmica dos acontecimentos naqueles locais, com uma expertise grande, inclusive no enfrentamento ao narcotráfico, haja vista tratar-se de uma área fronteiriça com o Paraguai”, explica o PRF Junie Penna.

Maior apreensão da história de MG

As 8,7 toneladas de maconha apreendidas em Juiz de Fora foram descobertas após abordagem policial por suspeita de utilização de placas clonadas. Durante a fiscalização da primeira carreta-baú, carregada com carne de porco, os policiais encontraram mais de 5,5 toneladas de maconha, escondidas no meio da carga. Ao fiscalizar o segundo veículo, que conduzia bebidas energéticas, os policiais localizaram também, aproximadamente, três toneladas de maconha escondidas em um compartimento secreto dentro da carroceria.

Segundo a Polícia Civil, foi a terceira apreensão de grande quantidade de drogas em Juiz de Fora nos últimos anos. A primeira foi em 2019, com três toneladas e 35 armas de fogo. A segunda foi no primeiro semestre deste ano, também com apoio da PRF, com apreensão de quatro toneladas e algumas armas de fogo.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia