Tópicos em alta: delivery jf / eleições 2020 / coronavírus / blogs e colunas / obituário / polícia

Projeto defende testagem frequente da população

Por Paulo Cesar Magella

22/10/2020 às 19h00 - Atualizada 22/10/2020 às 17h47

Já está em tramitação na Assembleia projeto do deputado Roberto Cupolillo (Betão – PT) cobrando a realização de testes em massa, de 15 em 15 dias, para toda a população. O parlamentar destaca que o Governo não está cumprindo a lei estadual 23.659/2020, publicada em 10 de junho, a qual determina a obrigatoriedade de testes periódicos a todos os profissionais de saúde. A ideia do PL é para toda a população. “O nosso projeto foi apresentado no mesmo dia que o Ministério da Saúde apresentou dados sobre a redução de mais de 11% na realização de testes em todo o Brasil, e sabemos que Minas já não tem se destacado nesse assunto. Como houve a politização da vacina e não sabemos quando ela efetivamente será disponibilizada, a saída é investir na testagem e no monitoramento da doença”, destacou o deputado.

O conteúdo continua após o anúncio

Relatório de prestação de contas já está na Assembleia

Também na Assembleia, o Governo encaminhou para avaliação dos deputados duas mensagens do governador Romeu Zema contendo relatórios de prestação de contas relativos ao estado de calamidade pública e substitutivo ao projeto sobre a venda de imóveis do Poder Executivo. Os relatórios se referem às medidas adotadas pelo governo e à evolução das receitas e despesas nos meses de junho a setembro. Nos documentos, são comunicadas ações (e seus respectivos custos) de cada uma das secretarias e de órgãos do Estado no combate à pandemia de Covid-19. Entre as atividades encampadas pela Secretaria de Saúde, por exemplo, são citadas a atualização Minas Consciente, com a reestruturação das ondas de classificação das atividades econômicas e a revisão de indicadores epidemiológicos, e a criação de um plano de contingência para a vacinação contra a doença.

Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia