Tópicos em alta: polícia / CPI dos ônibus / bolsonaro

Prefeitos pressionam o governador por repasses

Por Paulo Cesar Magella

11/01/2019 às 22h00 - Atualizada 11/01/2019 às 20h49

A Associação Mineira dos Municípios (AMM) está bastante preocupada com as primeiras ações do novo governo, uma vez que as práticas da gestão anterior que comprometeram o caixa das prefeituras não pararam. Em entrevista à Rádio CBN Juiz de Fora, o presidente da entidade, Julvan Lacerda, destacou que reconhece o pouco tempo da administração Zema, mas não esperava que a retenção das cotas do ICMS e do IPVA, que são constitucionalmente obrigatórias, fosse mantida. “A justificativa é que não há dinheiro e que as contas públicas estão totalmente desorganizadas, mas o dinheiro para esses impostos está entrando, logo, os municípios têm direito aos 25% que são definidos em lei. Mas esse repasse não está chegando.”

É preciso conversar

O presidente da AMM, prefeito de Moema, um pequeno município do Sudoeste mineiro, amanheceu a sexta-feira em Belo Horizonte para tratar de tal questão, mas antecipou que iria procurar também os deputados eleitos para a próxima legislatura para levar as preocupações dos prefeitos. “Esperamos que os deputados encampem a nossa causa.” Julvan disse que a AMM está disposta a conversar com o governador para tratar de possíveis parcelamentos, mas não abre mão do que é obrigatório, pois é com esse dinheiro que a maioria dos municípios sobrevive.

O conteúdo continua após o anúncio

Expectativa

A nova legislatura, a ser inaugurada no início de fevereiro, não é esperada apenas pelos prefeitos. O próprio governador Romeu Zema tem planos de conversar com os parlamentares para colocar em pauta temas de interesse de sua gestão. Ele tem um pacote de medidas que dependem do Legislativo, mas a melhor opção é discuti-los com os novos parlamentares, muitos deles envolvidos na mesma causa de recuperar a saúde econômica do Estado.

Vereadores renunciam

Os vereadores Sheila Oliveira e Charlles Evangelista, ambos do PSL, entregaram suas cartas-renúncias em decorrência de terem sido eleitos deputados estadual e federal respectivamente. Serão substituídos por Vagner do Sindicato e Newton Militão. O petista Roberto Cupolillo, que também foi eleito deputado estadual, deve se desligar somente no encerramento do período de reuniões, no dia 15. Ele será substituído pelo ex-vereador Juraci Schaffer.

Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia