Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Capitólio, um problema de Defesa Civil


Por Dirceu Cardoso Gonçalves, dirigente da Associação de Assistência Social dos Policiais Militares de São Paulo

13/01/2022 às 07h00

Desde menino, no meu grupo escolar de então, ouvi dizerem que existem três elementos ambientais dos quais não podemos perder o controle porque são de difícil recuperação: a água, o fogo e a altura. Essa foi uma verdade que me acompanhou por toda a vida profissional, e a experiência demonstra, cada dia mais, a sua importância. O ocorrido em Capitólio, visto a distância, aponta para uma sucessão de erros e omissões que conduziu ao desastre e às mortes. Não sabemos se as estruturas que desmoronaram sobre os turistas eram fiscalizadas periodicamente e tivemos a notícia de que os operadores do sistema turístico ignoraram o alerta da Defesa Civil para não utilizar a área do sinistro em razão da instabilidade climática desse fim de semana. Penso que a Defesa Civil, se identificou o problema, tinha a obrigação de interditar a operação até se comprovar a solução do risco e que, não o fazendo, o Ministério Público terá todas as razões e as motivações para apurar a atuação (ou a falta dela) e propor as devidas punições e a responsabilização profissional, civil e criminal dos agentes, por danos e mortes que ensejaram através de sua omissão.

O que ocorre naquele ponto do território mineiro é o mesmo que se passa em todos os reservatórios de hidrelétricas e similares existentes no país e até no mundo. A população regional utiliza suas águas para o lazer, e alguns empreendedores mais arrojados atraem visitantes de regiões distantes. Mas nem sempre há o cuidado garantidor do uso adequado do recurso natural, principalmente quanto à não exposição dos usuários a riscos. Somos, até certo ponto, um povo arredio ao cumprimento de normas de segurança, especialmente as pequenas, e, frequentemente, ocorrem os acidentes que de imediato impactam a opinião pública, mas logo são esquecidos, e a vida errante continua. As normas de segurança existem, os órgãos responsáveis são definidos, mas a fiscalização é falha. Quando ocorrem os sinistros, é comum lançarem-se acusações de negligência sobre os operadores e os órgãos públicos encarregados do controle. Tudo é recorrente, e mais uma vez assistimos a tudo isso.

Precisamos redefinir obrigações e – se for o caso – ampliar penalizações à negligência e acelerar procedimentos punitivos. Isso, se ocorrer, desencorajará operadores e autoridades, porque os riscos de punição não compensarão os eventuais lucros da atividade indevida. Não podemos continuar no ritmo das apurações do incêndio da Boate Kiss (Santa Maria – RS) que ocorreu há nove anos, fez 242 mortos e 636 feridos, e as primeiras sentenças contra os culpados só começam a sair agora.

O conteúdo continua após o anúncio

Somos um país desenvolvido, dispomos de técnicas de segurança iguais e decorrentes das praticadas nos Estados Unidos, na Europa e em outros pontos avançados do planeta. Mas nos falta efetividade do cumprimento das medidas e das restrições constantes da legislação. Por exemplo, apesar de toda a celeuma sobre a obrigatoriedade do certificado de vistoria do Corpo de Bombeiros logo após o incêndio da boate gaúcha, milhares de imóveis públicos e particulares ainda funcionam sem o cumprimento dessa exigência, muitos deles porque não dispõem dos equipamentos de segurança exigidos em lei. Mas, mesmo assim, continuam funcionando e recebendo público, muitas vezes, numeroso. A justificativa é a de que, se forem cumprir as normas, os negócios ali existentes se inviabilizam. Prefere-se, então, expor a clientela a risco.

No tocante às intempéries, não há justificativa para as omissões. O histórico de chuvas é centenário, assim como o estudo sobre as mudanças climáticas do continente – hoje submetido ao efeito “La Niña”, que potencializa as chuvas. Quem trabalha com os cursos de água precisa estar treinado e alerta para as possíveis e abruptas mudanças do tempo e saber quais providências adotar. Mas nem sempre isso acontece, e a população é a grande prejudicada por desmoronamentos, queda de árvores, inundações e outros eventos decorrentes do excesso de água. Os ditos ambientalistas, que tanto proselitismo fazem por Amazônia, Cerrado e outros sistemas, fariam um grande bem à sociedade se voltassem suas atenções para o cumprimento de normas de manejo da água nas cidades onde vivem e frequentemente ocorrem eventos catastróficos e até mortais. Toda interação do homem com a natureza precisa ter parâmetros, e estes, serem respeitados. Do contrário, continuarão os desastres e o sofrimento da população, vitimada como um todo por maus procedimentos de poucos…

Esse espaço é para a livre circulação de ideias e a Tribuna respeita a pluralidade de opiniões.
Os artigos para essa seção serão recebidos por e-mail ([email protected]) e devem ter, no máximo, 30 linhas (de 70 caracteres) com identificação do autor e telefone de contato. O envio da foto é facultativo e pode ser feito pelo mesmo endereço de e-mail.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia