Tópicos em alta: sarampo / CPI dos ônibus / polícia / bolsonaro / reforma da previdência

Ausência de sinal de celular em distritos volta ao debate

Governo de Minas diz que pretende lançar edital no segundo semestre para atender novos distritos

Por Gracielle Nocelli

12/06/2019 às 17h28

Comissão Especial de Telefonia se reuniu na Câmara na tarde desta quarta (Foto: Assessoria Vereador Marlon Siqueira)

A Comissão Especial de Telefonia da Câmara Municipal pretende discutir diretamente com o Governo de estado a questão da ausência de cobertura do serviço de telefonia nos distritos de Penido, Valadares, Humaitá de Minas, Monte Verde de Minas e Caeté de Minas. A decisão foi tomada após reunião realizada nesta quarta-feira (12), no Palácio Barbosa Lima, que contou com a participação de vereadores e representantes da Agência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon/JF) e das empresas Oi, Claro e Vivo. A Tim foi convidada, mas não compareceu. Durante o encontro, também foi abordado o desempenho do serviço prestado em Juiz de Fora, onde 32% das queixas formalizadas junto ao órgão de defesa se referem a problemas com as operadoras.

A oficialização dos cinco novos distritos foi realizada em outubro de 2018, quando já não havia mais prazo para a inclusão das localidades no Programa Minas Comunica II, uma iniciativa do Governo de Minas para ampliar o sinal de comunicação e internet 3G a distritos mineiros. O gerente de relações institucionais da Vivo, Ricardo Diniz, explicou que o edital de chamamento público do programa datava de 2014 e já apresentava os 692 distritos que seriam contemplados pela iniciativa. “Em nenhum momento nos comprometemos a fazer a ativação em outros locais além daqueles acordados em contrato. Depois deste projeto, foram criados mais de 120 distritos em Minas, mas não há obrigatoriedade contratual ou legislativa para atendê-los.”

Desta forma, a expectativa recai sobre o atual Governo de Minas, diante de descontinuidade do programa. “Entendemos que a comissão de telefonia fez o dever de casa, contratou o estudo para a criação dos distritos, e agora precisamos saber se haverá a contrapartida por parte do Estado. Iremos agendar uma reunião para expor esta situação. A ausência de cobertura do serviço de telefonia prejudica os moradores dessas localidades. Dificulta o acesso aos equipamentos de segurança, saúde”, exemplifica o presidente da comissão, vereador Marlon Siqueira (MDB).

O conteúdo continua após o anúncio

Procurada pela Tribuna, a assessoria da Seplag informou que o Governo de Minas tem interesse em dar continuidade à iniciativa e ampliar o acesso dos distritos mineiros ao serviço de telefonia. O edital de um novo programa, chamado Alô Minas, será lançado no segundo semestre e irá atender distritos recém-criados e as comunidades rurais com mais 500 habitantes em idade adulta.

Procon quer detalhamento dos investimentos

Do total de 11.542 reclamações registradas no Procon/JF entre 1º de janeiro e 12 de junho deste ano, 3.495 se referem a problemas com as operadoras, o que corresponde a 32%. “A maior parte das queixas é relacionada à cobrança indevida, mas sempre ouvimos dos consumidores, e temos a nossa experiência enquanto usuários, que a qualidade do serviço prestado não é boa. Há uma inconstância dos sinais em diferentes áreas da cidade”, afirmou o superintendente do Procon/JF, Eduardo Schröder. Ele cobrou informações sobre investimentos para que o órgão possa acompanhar os progressos realizados.

Os representantes das empresas apontaram aspectos da legislação municipal que consideram prejudiciais à realização de investimentos. “Criou-se um entrave ao estabelecer que a instalação de antenas deve ocorrer a uma distância de 50 metros de escolas, hospitais, creches, igrejas, dentre outros estabelecimentos. Nós vivemos uma evolução tecnológica, que nos levará daqui a pouco para o 5G, que vai nos exigir muito mais antenas. Se esta vedação continuar, Juiz de Fora dificilmente terá este serviço”, declarou o gerente jurídico da Claro, André Carvalho.

Audiência pública
Após a conversa, ficou definida a realização de uma audiência pública, ainda sem data marcada, em que serão convidados representantes da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e de especialistas da área de saúde para discutirem os riscos sobre a instalação de antenas próximo aos locais citados na Lei Municipal nº 13.236/2015.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia