Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Pesquisa do Procon aponta variação de até 400% em preço de medicamentos em JF

Entre medicamentos de referência e genéricos, a diferença constatada foi, em média, de 61,68%


Por Tribuna

06/10/2021 às 09h42

Uma pesquisa da Agência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon/JF), com seis farmácias de Juiz de Fora, apontou diferença nos preços praticados pelos estabelecimentos. O levantamento levou em conta os custos de 25 medicamentos que estão entre os mais demandados, segundo a Secretaria de Saúde da Prefeitura de Juiz de Fora (SS/PJF). Em média, os medicamentos originais tiveram 38,08% de diferença no preço entre os laboratórios, mas a maior variação ultrapassou os 400%.

A maior variação foi notada no custo do Alendronato de Sódio, medicamento utilizado no tratamento de osteoporose. O menor preço notado pelo levantamento foi de R$ 5,90, enquanto o maior valor cobrado entre os estabelecimentos participantes da pesquisa foi de R$ 28,25. O maior custo corresponde a 478% do menor valor praticado.

O conteúdo continua após o anúncio

Levando em conta apenas os medicamentos genéricos, a maior diferença de valores foi constatada no Carbonato de Cálcio, remédio que é utilizado para repor o cálcio no organismo durante tratamento de doenças. O levantamento apontou valor mínimo de R$ 16 no medicamento, enquanto o máximo alcançou R$ 44,90, variação de 280% entre o menor e o maior custo.

O preço dos medicamentos originais tiveram uma média de 38,08% de diferença de preço de um laboratório para outro. Em comparação dos preços médios dos medicamentos genéricos com os dos medicamentos de referência, foi apontado que os genéricos são, em média, 61,68% mais baratos do que os de referência.

A pesquisa foi realizada pelo Procon entre os últimos dias 20 e 30. Durante o período, a Agência solicitou, por e-mail, a relação de valores de 25 medicamentos a 75 farmácias e drogarias do município. Desse total, apenas seis estabelecimentos responderam e participaram do levantamento. 

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia