Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Mochilas estão proibidas para motofretistas em JF


Por Tribuna

18/10/2012 às 07h00

O prazo de 60 dias para regularização venceu ontem

O prazo de 60 dias para regularização venceu ontem

Novas regras para motofrete entram em vigor em Juiz de Fora. A partir de hoje, as placas vermelhas em veículos utilizados no serviço serão cobradas, e o uso de mochilas e bolsas térmicas para transporte de alimentos e outros objetos está proibido. O prazo de  60 dias para a regularização, estabelecido em ata assinada por representantes das polícias Civil e Militar, do Detran e da Settra, venceu ontem. Durante todo o dia de hoje, agentes da Settra e policiais do Pelotão de Trânsito devem fazer blitze em locais estratégicos da cidade.

O conteúdo continua após o anúncio

A ausência dos demais equipamentos como mata-cachorro, antenas, colete e faixas refletoras no baú e capacete implicará em multa para o profissional. Já o curso obrigatório de capacitação para a categoria teve o prazo estendido até fevereiro de 2013.

src=/polopoly/polopoly_fs/1.1171194.LATEST!/image/273656649.jpg_gen/derivatives/landscape_800/273656649.jpg

Alguns profissionais do ramo alegam que as alterações não estão claras. É o caso do motofretista Anderson Honório, 21 anos. Segundo ele, as regras têm se apresentado confusas, principalmente pelas prorrogações de prazo. "Nada é concreto. Sempre empurram as decisões para frente. Concordo com a adoção das medidas de segurança, como o colete e as faixas no capacete. Já a proibição das mochilas vai trazer problemas para os motofretistas no transporte de lanche. No baú, o produto acaba estragando, pois balança muito."

O motofretista lembra de um ponto amplamente requisitado pela classe, mas que, segundo ele, ainda não teria recebido a devida atenção. "Achar vaga no Centro é muito complicado, principalmente na Getúlio Vargas. Precisamos de pontos livres para nosso trabalho." Conforme a Settra, está em andamento um estudo que vai avaliar a possibilidade de atendimento da demanda. A expectativa do órgão municipal é reservar 30% das vagas de motos no Centro para o serviço de entrega.

Angélica Mothé, gerente de uma lanchonete na Rua Santo Antônio, que mantém atendimento delivery, diz que, com a proibição das mochilas, a empresa buscará alternativas para o transporte de seus produtos. "Estamos elaborando um tipo de mochila para ser colocada dentro do baú." Em relação à evasão de motofretistas em estabelecimentos dessa natureza provocada pelas novas regras da profissão, ela comenta que o empecilho maior está nas novas contratações. "Como já temos uma carta de entregadores antiga, não passamos por esse problema. Nossa dificuldade é encontrar novos (profissionais)."

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia