Tópicos em alta: dengue / polícia / fé na estrada / reforma da previdência / bolsonaro

Bandeiras tarifárias de energia vão ter reajuste de até 50%

Aneel anunciou aumento da taxa extra paga pelo consumidor, conforme as condições de geração no País

Por Daniel Weterman e Luci Ribeiro

22/05/2019 às 07h01

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou ontem um reajuste de até 50% nos valores da bandeira tarifária, a taxa extra paga pelo consumidor de energia elétrica, conforme as condições de geração no País.

A proposta aprovada altera o valor das bandeiras tarifárias a partir de 1º de junho. A bandeira amarela passa de R$ 1 para R$ 1,50 a cada 100 Kwh (reajuste de 50%); vermelha no patamar 1, de R$ 3 para R$ 4 a cada 100 Kwh (aumento de 33,3%); e a vermelha no patamar 2, de R$ 5 para R$ 6 a cada 100 Kwh (alta de 20%). A bandeira verde não tem cobrança extra.

O diretor-geral da Aneel, André Pepitone, disse que a mudança aprovada ontem na metodologia das bandeiras tarifárias dará maior precisão ao custo de produção de energia no País, e isso mês a mês, sem que essa conta só seja conhecida e paga no ano seguinte. Além disso, a mudança foi necessária para evitar novo déficit no sistema em 2019, afirmou.

Ele exemplificou que, em 2017, houve um déficit de R$ 4,4 bilhões, entre o que de fato foi pago e o arrecadado e que esse valor foi passado para a tarifa em 2018, o que levou a um reajuste médio nas tarifas de energia no País de 16%.

O conteúdo continua após o anúncio

“A projeção é que a gente passe o ano de 2019 com o componente financeiro (déficit) zero, igualando a arrecadação que a bandeira vai promover ao custo de operação das usinas, para que não haja remanescente a ser cobrado na tarifa a ser cobrada na 2020”, afirmou o diretor-geral da Aneel.

Inflação. Se mantida a bandeira amarela, vigente em maio, na conta de luz de junho, o impacto do aumento do valor, anunciado pela Aneel, seria de 0,03 ponto porcentual no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do mês, segundo os cálculos do economista Homero Guizzo, da Guide Investimentos.

No caso de acionamento da bandeira vermelha 1 no mês que vem, o efeito total – mudança da bandeira amarela para vermelha e com o reajuste no valor da bandeira – seria de 0,21 ponto, sendo 0,07 pelo novo valor.

A Guide, contudo, já tinha em seu cenário-base a bandeira vermelha 1, assim, a projeção preliminar da corretora para o IPCA do mês que vem foi aumentada de 0,34% para 0,41%.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia