Tópicos em alta: polícia / chuva

Com todo o sabor da serra direto para Juiz de Fora

PUBLIEDITORIAL

Eles aprenderam a arte de dominar o fogo e agora trazem para Juiz de Fora a bagagem de 30 anos dedicados a decifrar os segredos de preparação da carne. O Clube do Filet desceu a serra de Petrópolis para conquistar de vez o paladar dos juiz-foranos e daqui expandir seus horizontes

Por Clube do Filet

16/12/2017 às 07h00

D. Odete Barcelos, fundadora do Clube do Filet: 30 anos de dedicação.

A sua hora do almoço e jantar diários pode ser corrida, mas jamais sem sabor.Como nem só de paladar vive o homem, é fundamental que a alimentação seja fonte de nutrientes essenciais. Por isso, a carne é a estrela do cardápio em muitos países, diferenciando seu consumo pelo tipo de corte e preparo. E aqui está o ponto: quando bem preparada, ela pode oferecer uma experiência gastronômica completa pela riqueza de texturas, aromas, sabores e a diversidade de acompanhamentos.

Para viver essa experiência com o produto, muitos juiz-foranos e cariocas pegam a estrada e sobem a serra em direção a Itaipava (RJ), onde, há 30 anos, está localizado o charmoso e tradicional restaurante Clube do Filet. A boa notícia é que Juiz de Fora acaba de ganhar uma unidade própria do Clube, logo ali na subida para a cidade alta, com acesso e estacionamento facilitados.

O que é que o Clube tem

O melhor de Itaipava agora na Alameda Engenheiro Gentil Forn, 1700, no caminho para o Morro do Cristo.

O filé mignon da casa é reconhecido, sobretudo, pela crocância que apresenta na sua superfície e a suculência mantida no interior docorte. O empresário e sócio, Alexandre Miranda, diz que o segredo do Clube do Filet está na escolha de bons fornecedores e produtos, no domínio preciso da técnica e no controle rigoroso da temperatura.

Para garantir que o cardápio daqui seja exatamente como o de lá, toda transferência de know-how está a cargo da própria fundadora, Odete Barcelos.“Nosso chef, Leonardo Chevitarese fez uma imersão na cozinha do restaurante, em Itaipava, com a expectativa de reproduzir, fielmente, tudo o que aprendeu no treinamento”, afirma.

“Pude constatar que são profissionais que estão há anos no comando da cozinha e têm uma bagagem de conhecimento muito grande sobre o produto e os processos”, avalia o chef. Segundo ele, o que mais despertou a sua atenção foi o processo artesanal e cuidadoso de preparação dos pratos. “É uma cozinha sensorial que me lembrou muito as receitas da minha avó. Tem algo de intuitivo, encantador, que estamos transformando em ficha técnica”, destaca.

Construir o padrão é importante para o Clube do Filet, por dois motivos. Primeiro, para manter as mesmas características e nuances dos pratos e sobremesas servidos em Itaipava ereplicá-los, em Juiz de Fora, com o máximo de fidelidade. Em segundo lugar, para atender ao interesse dos sóciosde transformar a marca numa franquia. “A experiência de Juiz de Fora será essencial para estabelecer esse modelo de negócio, expandindo a marca, posteriormente, para todo o país”, explica Frederico Barcelos, filho de D.Odete e responsável pelo projeto de expansão.

Farofa campeã

Se você é do tipo que não resiste a uma boa farofa como acompanhamento de um suculento filé, prepare-se para acrescentar mais uma camada de sabor na sua experiência gastronômica, no Clube do Filet. “É muito diferente. Quando a gente mistura a farinha de mandioca com a manteiga, surge algo inusitado: de tão fininha e delicada, ela lembra a consistência do leite em pó. Para evitar que se queime, mas fique crocante, todo processo precisa serbem lento,em fogo baixo. É simples e complexo, ao mesmo tempo. Demanda a maior atenção no preparo e carinho também”, conta o chef Léo Chevitarese.

Por ser uma coadjuvante importante na concepção dos pratos, o Clube do Filet escolhe, com cuidado, a sua matéria-prima. A mandioca é proveniente de uma pequena propriedade rural, no estado do Rio de Janeiro, onde o próprio dono cuida, de ponta a ponta, de todo o ciclo de produção até que ela se transforme nafarinha fininha que conquistou o chef mineiro.

Aliás, identificar e manter por perto bons fornecedores é outro segredinho do Clube do Filet para se manter por 30 anos, com o mesmo cardápio. Alexandre Miranda acredita que esse diferencial também pesou positivamente na escolha pelo investimento em Juiz de Fora, por permitir que a dinâmica de proximidade com os produtoresseja mantida, sem atropelos, com a agilidade necessária para garantir a mesma qualidade.

O que pedir

O The Place –um tornedor de 300 g – sintetiza a essência da casa: a boa comida tem o seu lugar.

The Place – guarde esse nome – é o prato mais tradicional e líder absoluto no cardápio do Clube do Filet. “É um tornedor de 300g de carne, acompanhado com molho madeira, com bacon em cubos, passas brancas e nozes douradas na manteiga. É muito gostoso”, descreve o chefe Léo Chevitarese. “O nome está na essência da história e de tudo o que a casa representa: o lugar ideal para receber os amigos e se deliciar com o simples que encanta”, conclui Alexandre Miranda.

 

Ficha Técnica

Funcionamento: Quarta a domingo

Quarta e quinta: das 12h às 15h e das 18h às 24h

Sexta e sábado: das 12h às 24h

Domingo: das 12h às 18h

Chopp Brahma, cervejas e vinhos

Acomoda 74 pessoas

Endereço: Alameda Engenheiro Gentil Forn, 1700

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail





Desenvolvido por Grupo Emedia