Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / lockdown / vacina / polícia / obituário

Metas de Margarida

Por Paulo Cesar Magella

28/02/2021 às 07h00 - Atualizada 28/02/2021 às 21h24

Prestes a completar dois meses de administração – nesta segunda-feira -, a prefeita Margarida Salomão destacou para o Painel que o grande esforço está sendo colocar o Governo de pé, ajustar estratégias e acostumar a jogar juntos. Destacou que ainda neste primeiro semestre haverá mudanças importantes na gestão de recursos humanos, informática, entre outras áreas. No entanto o maior desafio é a crise sanitária fruto da pandemia da Covid-19. A prefeita reafirmou o interesse da Prefeitura em participar de consórcios para aquisição de vacinas. “Teremos vacinas em Juiz de Fora independentemente dos tropeços do Ministério da Saúde.”

Trabalho conjunto

A prefeita Margarida Salomão enfatizou que, dentro desses desafios, tem exigido muito trabalho regular a convivência social para garantir o distanciamento, “ao mesmo tempo em que buscamos não quebrar a cidade, cuja força de trabalho está em maior parte nos serviços”. A prefeita agradeceu o engajamento “das pessoas preocupadas com a vida dos outros”, lembrando ainda a ação dos bares e dos restaurantes na final do Campeonato Brasileiro, quanto atuaram fortemente para evitar aglomerações. Ela ainda enumerou uma série de ações, como projeto Boniteza, que chega, agora, ao Centro da cidade.

O conteúdo continua após o anúncio

Jogo político

A mensagem em tramitação na Câmara Federal, mudando as regras para punição de deputados e senadores, continua causando polêmica. Apesar de a votação às pressas definida pelo presidente da Casa, Arthur Lira, ter sido transferida para segunda-feira, a reação das ruas continua. O cientista político Fernando Perlato adverte que a matéria deve ser analisada numa “chave mais ampla nessas tensões entre o Judiciário e o Legislativo”. Para ele, a preocupação dos parlamentares, em alguns casos, é legítima, mas há, na maior parte, uma forte conotação corporativista. “Temos que tomar cuidado para não contaminar o debate. É necessário regulamentar a ação do Judiciário no Legislativo, e os deputados legislarem não é nenhum absurdo, porém, o que a gente está vendo – e a ação de Lira não foi ingênua – é uma busca do Parlamento de se blindar”. Na avaliação de Perlato, há uma maioria formada pelo Centrão, com condescendência de partidos tradicionais, no sentido de proteger os políticos de investigação no Judiciário.

Mês da mulher

Em vez de um só dia – 8 de março -, a Câmara vai celebrar o Dia Internacional da Mulher durante todo o mês. A proposta, de acordo com a assessoria, é que as ações “tenham um viés mais reflexivo do que o tom celebrativo comumente adotado, focando na discussão quanto ao papel da mulher na política e na sociedade”. A organização dos eventos ficou por conta da Comissão de Direitos da Mulher e da Superintendência de Comunicação Legislativa. Um dos pontos considerados é a ascensão das mulheres em postos estratégicos da cidade: Prefeitura e um número recorde de mulheres no Legislativo. “É preciso aproveitar o momento para reforçar a importância de temas como o protagonismo feminino na política e o combate à violência contra a mulher”, destaca.

Paulo Cesar Magella

Paulo Cesar Magella

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia