Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Vegetais nos cardápios dos butecos

Não tenho pretensão de criar o "veganismo de botequim", mas que ele é possível, isso é!

Por Airton Soares

11/11/2020 às 15h50 - Atualizada 12/11/2020 às 21h50

Os médicos e nutricionistas sempre recomendam incluirmos uma proporção de vegetais nas nossas refeições do dia a dia, “colorindo o prato”, dizem eles. Mal sabem que nos botequins já praticamos esse hábito faz muito tempo, com várias opções de vegetais nas estufas ou preparadas na hora pelas cozinheiras, todas em versões com muito sabor.

Jiló do Bar do Abílio

E não estou falando de porções de azeitona, palmito ou conservas em geral. Pra começar, vale lembrar que o jiló é quase unanimidade entre os botequeiros: pode ser frito, empanado, refogado, cozido e até recheado. O fruto – sim, ele é um fruto – é servido numa porção pra lá de gostosa no Bar do Abílio, e pode vir ao prato acebolado também. Já em outro buteco, o Bar Dias, ele chega ao balcão à milanesa. E no mesmo Bar Dias contamos com outra opção de prato nessa mesma linha “verde”: o saboroso bolinho de espinafre, receita da Dona Ana que me faz voltar à infância a cada mordida.

Peixinho-da-horta do Totó Lanches

Outra hortaliça que faz sucesso no botequim é a couve-flor. Ela é empanada e fica uma delícia quando o cozinheiro acerta a mão na casquinha crocante, como sempre acontece no Bar du Marcelo (ele voltou a servir o prato recentemente e está fazendo enorme sucesso por lá). Outra planta que me conquistou foi o peixinho-da-horta. O nome remete a peixe pela aparência, mas é uma folha que já foi muito comum nos quintais e anda meio sumida. Hoje a chamam de PANC – planta alimentícia não convencional. Ela também é empanada e sai da fritadeira crocante e pronta pra acompanhar uma cervejinha. Aqui em JF ainda não encontrei nos cardápios, mas sei que no Totó Lanches, ali em Guarani, é muito requisitada. Só de olhar a foto dá água na boca.

O conteúdo continua após o anúncio

Parmegiana de berinjela do Sapore di Calábria

A berinjela, por sua vez, é versátil e merece voltar aos cardápios dos botequins. Em JF, quando me bate a vontade, eu sempre recorro ao Sapore di Calábria, onde ela é servida à parmegiana ou no fettuccine alla siciliana. Uma beleza!
Além dos citados acima, hoje conseguimos achar pelos bares e restaurantes, com certa facilidade, os anéis de cebola, como os servidos numa “torre” lá no Procopão. Já as batatas eu curto nas versões cozidas e coradas ao invés das já manjadas fritas. Mandioca cozida ou frita quase sempre aparece como guarnição de outros pratos, sendo as do Bar do Totonho as minhas preferidas. E também há algumas opções por aí como o pimentão e tomate recheados, como o do Bar do Luiz, que até prêmio ganhou no concurso Comida di Buteco.

E no botequim que você frequenta? Têm vegetais por lá? Então me conte no @butecosdejf que eu vou lá experimentar, afinal, não sou de perder essas oportunidades. Vamos Juntos?!

 

Bar du Marcelu 2PrincipeBar do Luiz Cred Jr FariaProcopão 2Sapore 2Bar Dias Cred Jr Faria
<
>
Fettuccine alla Siciliana do Sapore di Calábria

Butecos de JF

Butecos de JF

Airton Soares é gestor público por formação acadêmica mas, por opção e gosto, é conhecido como apreciador da cozinha de raiz, com experiência comprovada e acumulada na cintura. Já foi jurado do Comida di Buteco, é colunista do Tribuna de Minas, tem programas nas rádios CBN e Mix FM e é dono da fanpage @butecosdejf, onde conta com mais de 90 mil seguidores que acompanham as dicas e comentários sobre comidas, bebidas e bares desse rotundo entusiasta da culinária simples e saborosa, segundo ele, a mais gostosa de todas!

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia