Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / vacina / chuva / polícia / obituário

Síndrome da Fadiga Crônica afeta pessoas contaminadas pela COVID-19

Por Alice Amaral

01/07/2020 às 17h44 - Atualizada 01/07/2020 às 17h44

Uma matéria publicada no portal de notícias on line BCC News apontou a presença da Síndrome da Fadiga Crônica como uma das complicações do novo coronavírus. Essa síndrome é uma condição debilitante que causa diversos fenômenos na pessoa afetada. Um deles é justamente o cansaço excessivo que não melhora com repouso ou sono. Dor muscular, dor de cabeça, ansiedade, irritabilidade, depressão, dificuldade de concentração, diarreia, náuseas, perda ou ganho de peso e problemas de memória são outros sintomas frequentes que impedem que o indivíduo tenha uma vida normal e independente.

A síndrome pode afetar quem tem pré-disposição genética ou pode ser desencadeada pelo estilo de vida ou pela contaminação de agentes invasores, como o SARS-CoV-2, vírus transmissor da COVID-19. Na matéria publicada pela BCC News foi noticiado o caso de um jovem escocês de 28 anos que antes de ser infectado pelo coronavírus não apresentava nenhuma doença. Após 12 semanas da contaminação ele continuou a passar mal com os sintomas da Síndrome da Fadiga Crônica e precisou voltar a morar com os pais, pois não conseguia ter autonomia para permanecer morando sozinho ou trabalhar. Os sintomas costumam ser tão intensos que, em alguns casos, a pessoa não consegue nem levantar da cama. E além de impactar todos os órgãos do corpo, esse distúrbio afeta também o sistema neuro-cognitivo.

O conteúdo continua após o anúncio

Segundo especialistas, a Síndrome da Fadiga Crônica, também chamada de Encefalomielite Miálgica, é uma consequência comum do SARS-CoV-2 e está prejudicando muitos sobreviventes. Por isso, é necessário ressaltar dois aspectos. O primeiro é a importância do tratamento precoce da doença. Quanto antes iniciar o tratamento, mais chances de prevenir complicações.

O segundo aspecto é ressaltar a necessidade de seguirmos uma dieta saudável, principalmente neste momento. A alimentação é o principal fator modulador da composição da microbiota intestinal (flora intestinal). Os microrganismos presentes no organismo têm a função de manter a saúde da parede intestinal e controlar a proliferação das bactérias patogênicas, consideradas perigosas. O desequilíbrio da microbiota intestinal, fenômeno chamado de disbiose, favorece o aparecimento de várias patologias, inclusive, a Síndrome da Fadiga Crônica. Cuidar da alimentação é o melhor remédio para prevenirmos o coronavírus!

Vale ressaltar que se você sentir mal estar ou algum sintoma que normalmente não é comum no seu dia a dia, procure um médico e faça o teste da COVID-19! Essa doença é nova e ainda está sendo estudada. Portanto, febre e dificuldade respiratória são apenas alguns dos sintomas do vírus no organismo. Muitos outros sintomas podem apontar a contaminação e é importante começar o tratamento o quanto antes para prevenir possíveis complicações.

Alice Amaral

Alice Amaral

Médica - Título de Especialista em Nutrologia – RQE 9884 - Título de Especialista em Medicina do Esporte – RQE 9895 - Título de Medicina Física e Reabilitação - RQE 44090

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia