Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Hidratação e cuidados com as roupas íntimas no verão

Por Marcelo Condé

07/01/2022 às 21h41 - Atualizada 07/01/2022 às 21h43

A temporada do verão pode trazer impactos negativos para o funcionamento dos rins. O alerta é da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN) em campanha em suas redes sociais, que se estenderá por todo o ano de 2022, destacando o dia 10 de março, quando se comemora o Dia Mundial do Rim. O Brasil é líder global da campanha de prevenção primária à doença renal.

No verão há uma maior necessidade de se ingerir líquidos. Com o calor, a gente sua mais. E é muito perigoso que as pessoas acabem não aumentando a quantidade da ingestão líquida, de preferência água e bebidas naturais, apesar de estarem suando muito. Os alimentos também precisam de atenção. Prefira frutas, alimentos frescos ou bem cozidos.

Em faixas etárias extremas, que englobam pacientes idosos e pediátricos, muitas vezes a pessoa já pode ter desidratação e nem percebe. O ativador da sede, que fica no cérebro, pode não apontar a necessidade de líquido. Acaba sendo necessário que a pessoa tenha o controle da ingestão de líquido suficiente. Por outro lado, muitos indivíduos acham, mesmo não estando no grupo de faixa etária extrema, que deve beber só quando está com sede, porém, é um engano.  A sede é um sinal quando a pessoa já está desidratada.

O ideal é que a urina esteja amarela clara. Se tiver amarelo escuro, é sinal de que a pessoa está bebendo pouco líquido.

O conteúdo continua após o anúncio

Infecção

Outra questão que pode prejudicar os rins é que o calor no verão pode aumentar o risco de infecção urinária, principalmente em mulheres. Isso acontece porque, geralmente, as mulheres têm uma anatomia que já propicia o risco de infecção urinária, quando comparadas aos homens.

Roupas íntimas úmidas, como biquínis, que permanecem molhados durante muito tempo, e mesmo calcinhas, que ficam úmidas pelo suor, podem propiciar o surgimento de micro-organismos. E a falta de ingestão de água faz com que a urina fique concentrada e não seja liberada.

Opte, também, por usar tecidos leves, com proteção UVA/UVB.  Ao sair da praia e piscinas, procure trocar de roupa o mais rápido possível. Lave as roupas íntimas e de banho com sabão neutro e deixe-as secando em local aberto e bem ventilado.

É importante lembrar que, excesso de doces e carboidratos aumenta a acidez vaginal, que pode ocasionar a cândida – infecção vaginal muito comum nesta época do ano – pois ela se prolifera mais facilmente em meios quentes e úmidos.

Marcelo Condé

Marcelo Condé

Ginecologista e obstetra, especialista em medicina estética, com atuação nos hospitais Albert Sabin, Monte Sinai, Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora e Hospital Unimed. Integrante da Associação Brasileira de Cosmetoginecologia

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia