Tópicos em alta: delivery jf / eleições 2020 / coronavírus / greve / polícia

Raro acerto

Por Renato Salles

28/02/2020 às 06h00 - Atualizada 27/02/2020 às 18h50

O ano “começou” com uma rara decisão positiva da cartolagem brasileira. A proibição da venda de mandos de campo tomada nesta quinta-feira (27) em reunião entre representantes dos times da Série A e do comando da CBF é justa do ponto de vista desportivo.

Em gramados brasileiros, a venda de campo é quase sempre injusta. Quase nunca há uma coerência. Assim, quem vende se beneficia com alguns trocados e, de quebra, beneficia o adversário levando o confronto para, no mínimo, um campo neutro. Na maioria das vezes, o que se vê é uma inversão de mandante, pois quem vende o mando, em geral, joga em um estádio lotado pela torcida do oponente.

A principal treta é que quem vende o mando não vende em todos os jogos. Assim, alguns times são beneficiados pelo campo neutro, enquanto outros jogam, de fato, na casa do adversário. Daí, o equilíbrio desportivo necessário para toda e qualquer competição vai para as cucuias.

O conteúdo continua após o anúncio

O acerto raro, contudo, veio acompanhado dos erros de sempre. Colocada à mesa, a definição de um limite para o troca-troca de treinadores no Campeonato Brasileiro não veio. Os clubes alegam que tal limitação seria uma ingerência na gestão administrativa das agremiações.

Fosse isto, de fato, será que aceitariam a justificável redução do limite de jogadores inscritos, que caiu de 45 jogadores, com cinco trocas, para 40, com oito substituições? A ferro e fogo a ingerência é a mesma em ambos os casos, mas todas com objetivos claros de delimitar certos critérios e aspectos do campo desportivo.

Nada tira da minha cabeça que os cartolas são contra o limite de troca de treinadores, pois sempre usam os técnicos como bode expiatório para escudar suas próprias incompetências na gestão de seus clubes, desde a montagem do elenco e planejamento até os corriqueiros atrasos nos pagamentos de salário.

Renato Salles

Renato Salles

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia