Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Reis do camarote

No camarote, os privilegiados. Do lado de fora, a grande massa da população. Para poucos, o "jeitinho" e o convite.

Por Renato Salles

21/05/2021 às 07h00 - Atualizada 20/05/2021 às 20h09

Os ossos do ofício me levam a, cotidianamente, realizar um permanente tour pelos portais de notícias. A tecla F5 do notebook já está, inclusive, desgastada. No rolê costumeiro do fim de tarde desta quinta-feira, uma notícia de canto de tela me chamou bastante a atenção: Ferj pede autorização para cada clube levar 80 convidados para a final no Maracanã.

Traduzindo em miúdos, a Federação de Futebol do estado do Rio de Janeiro pede à Secretaria de Saúde da capital Fluminense autorização para que Flamengo e Fluminense possam levar 160 pessoas à decisão do torneio estadual agendada para este sábado.

Por um lado, parece bacana ver a boa intenção da Federação em fazer a solicitação às autoridades antes de tomar qualquer decisão por conta própria. Por outro, a verdade é que a festinha de poucos convidados já aconteceu na partida de ida das finais do Cariocão, quando 150 convidados dos clubes foram ao estádio mesmo sem autorização das autoridades sanitárias.

Portanto, o pedido formal da Ferj vem após a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro multar a administração do Maracanã em cerca de R$ 14 mil por infração sanitária gravíssima. Agora, na prática, o que querem é um carimbo de legalidade para repetir a situação e agradar a poucas dezenas de privilegiados.

O conteúdo continua após o anúncio

Tão grave quanto a falha sanitária, que inclusive recebeu da Prefeitura o rótulo de “gravíssima”, é a incompatibilidade do pedido com relação a tudo o que o futebol significa para o povo brasileiro. O esporte é só mais uma das paixões e das experiências coletivas que a pandemia nos nega.

Ver poucos escolhidos e convidados, sabe-se lá o motivo, tendo acesso ao estádio denota ainda mais a sensação de que vivemos divididos em castas. No camarote, os privilegiados. Do lado de fora, a grande massa da população. Para poucos, o “jeitinho” e o convite. Para todos, as necessárias regras sanitárias, que comprometem muitas das poucas opções de lazer da população brasileira.

Já era triste ver nossos estádios, transformados em arenas, cada vez mais elitizados e com os elevados preços de seus ingressos. Assistir a uma decisão privativa aos reis do camarote, que, no primeiro jogo, mesmo na imensidão do Maracanã, mantiveram-se aglomerados, não traz nada de benéfico.

Saudades de quando o futebol era, de fato, um esporte popular.

Renato Salles

Renato Salles

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia