Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Sonho distante

Por Renato Salles

14/05/2021 às 07h00 - Atualizada 13/05/2021 às 19h01

A Conmebol anunciou nesta quinta-feira que o histórico Estádio Centenário, em Montevidéu, será o palco das finais dos torneios de clubes disputados na América do Sul em 2021, a Libertadores e a Sul-Americana. Desde moleque, tenho vontade de conhecer aquele que foi o principal palco da primeira Copa do Mundo disputada em 1930 no Uruguai, país que também garantiu o primeiro título de campeão mundial de seleções.

Em 2017, tive a oportunidade de conhecer o estádio, do lado de fora, em visita ao Uruguai. Faltou bola rolando. Na passagem pelo país vizinho, tive a chance, inclusive, de acompanhar uma partida do Botafogo pela Libertadores da América.

Na ocasião, o Glorioso venceu o Nacional do Uruguai por 1 a 0, fora de casa, com gol do meia João Paulo, pela partida de ida das oitavas de finais da competição daquele ano. O confronto decisivo, todavia, foi disputado no estádio Parque Central, em Montevidéu.

Tenho lembranças bastante distintas dessa partida. É bacana acompanhar um jogo decisivo sem ser, de fato, torcedor de alguma das equipes que estão em campo. Ver a emoção de outros apaixonados pelo futebol, assim, bem de perto, não deixa de ser uma experiência antropológica. É sempre um aprendizado.

Dois fatores extracampo me marcaram mais do que a partida em si, porém. O primeiro deles foi o frio, que, misturado com uma chuva intensa e persistente, torturou todos os presentes no estádio naquele dia. Um gelo.

O conteúdo continua após o anúncio

Mas o fato mais curioso foi no caminho até o estádio. Em uma van lotada de botafoguenses, me disfarcei com uma camisa do Tupi abaixo do necessário casaco de frio. Disfarce bem funcional, ressalte-se.

Enquanto os demais passageiros conversavam sobre a boa fase do Botafogo naquela Libertadores, eu tergiversava. De repente, escuto um dos botafoguenses fazer um comentário bastante familiar. “Essa cidade tem muita praça. Todas parecem o Parque Halfeld!”. Sim, tinham vários juiz-foranos na van botafoguense que se dirigia ao estádio. Se JF é um ovo, a América do Sul é uma omelete.

Bom, contei toda essa história para destacar que sou um dos poucos que gostam deste modelo adotado a partir de 2019 final única dos torneios continentais. Sei que é bacana o confronto de ida e volta e tudo que envolve essa semana decisiva. Todavia, o jogo único garante a possibilidade de um maior planejamento para fazer viagens que tendem ser daquelas marcantes.

Inclusive, já tirei a ideia do papel em 2019, quando sonhava em assistir ao meu Corinthians na final da Sul-Americana. Acabei acompanhando um confronto entre Colón, da Argentina, e Independiente del Valle, do Equador, no Estádio General Pablo Rojas, em Assunção, no Paraguai. Mas isso é história para outro dia.

A verdade é que planejar uma viagem dessas era o que eu mais queria fazer em um momento como este. Quem sabe programar o sonho de conhecer o Estádio Centenário de Montevidéu? Com uma vacinação em massa ainda de pouca abrangência no Brasil, contudo, estes planos seguem como um sonho distante.

Renato Salles

Renato Salles

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia