Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Expectativa x realidade

Por Tribuna

12/02/2021 às 07h00 - Atualizada 11/02/2021 às 22h38

Já são quase onze meses saindo quase nada de casa. Meu cotidiano nas ruas é reservado ao essencial. Trabalho. Mercado. Resolver tretas para os meus pais. Foi assim ao longo da pandemia. Rolaram breves viagens para o mato e para a casa da namorada, é verdade. Mas o fato é que abri mão de muita coisa nos últimos meses.

Um exemplo bobo disso é que, até março do ano passado, visitava toda semana a barbearia. Rolê simples, mas rejuvenescedor. Aproveito, inclusive, para deixar um abraço para o amigo Luiz, responsável pelo tapa no visual semanal e dono de humor peculiar. Saudades, irmão.

Pois é, abri mão do rolê na pandemia. Nos últimos 11 meses, só fui à barbearia uma vez. E não foi no Luiz, mas, de última hora, às vésperas de gravar uma série de entrevistas com os candidatos à Prefeitura entre outubro e novembro do ano passado.

Na ocasião, foi barba e cabelo e um tanto de receio de baixar a guarda para o vírus. Deu tudo certo, felizmente. Mais de cinco meses depois, uma vez mais, não teve jeito: resolvi dar um trato no que ainda resta de cabelo. A coisa estava feia.

O conteúdo continua após o anúncio

Ainda me privando de muita coisa nessa pandemia, resolvi confiar a missão à namorada. “Alessandra, venha cá, por favor.” Coloquei a minha cabeça a prêmio e um jogo na TV. “Seja o que Deus quiser”, foi o pensamento retórico.

Enquanto ela guiava a máquina por meu cocuruto, eu assistia ao duelo entre Internacional e Sport. Para os colorados, valia um passo adiante na corrida pelo título. Para os pernambucanos, fôlego renovado na corrida contra o rebaixamento.

Pela relevância do duelo, esperava por um bom jogo. Contudo, como naquele meme “expectativa x realidade”, o que vi foi um duelo sofrível, em que o Inter se perdeu na ansiedade e o Sport escondeu-se num placar improvável.

Aliás, essa foi a realidade de todo o Campeonato Brasileiro: jogos ruins, poucas emoções e nenhum encantamento. Sem torcida, a baixa qualidade do futebol nacional ficou ainda mais evidente e não se fez conforto nesse momento da vida em que precisamos tanto de distração.

Em tempo: na contramão do “expectativa x realidade”, Alessandra passou no teste, meu cabelo ficou suave e dá para segurar a bronca até a próxima visita ao amigo Luiz.

Tribuna

Tribuna

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia