Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

A cidade e os fantasmas

Por Nara Vidal

05/09/2021 às 07h00 - Atualizada 05/09/2021 às 15h19

Um dia de sol desses e eu numa melancolia dos diabos, como se já fosse domingo. Acontece vez ou outra. Passo quase todo o tempo em estado presente. Mas é só bater o olho numa fotografia de terra alaranjada para imaginar o rio barrento e sentir o olho arder de sol e da poeira que também tem gosto. Abre-se uma porteira e de lá uma selvageria em pensamentos escapole e pouco adianta tentar agarrar esses touros bravos de volta. Os olhos pulam para a fotografia da pracinha da esquina e não é possível que eu tenha largado tudo isso num lugar meu onde não existo a não ser como um fantasma antigo, teimoso que não arreda o pé do que guardou dentro do olhar, uma alma penada. Parece até que posso voltar quando quiser. Todo mundo vai desaparecendo, os vivos e os mortos. Os vivos escapam dos próprios sonhos, envoltos em dias que correm e quando se vê, as mãos estão soltas. Os mortos misteriosamente somem de vista. Já não se vê aqueles corpos quietos feito plástico dentro das salas de visita. Já não sinto mais a palma da mão da mãe cobrindo meus olhos com os dedos espalhados ao passar rente ao velório da rua com suas janelas abertas de onde se espreita choro e problema. Agora temos uma capela mortuária que já nos avisa que somos iguais. Todos os finados para a capela, nada de sala de visita de casa grande ou de senzala. Morreu, vai para debaixo daquela mesma terra barrenta e o espetáculo que desossa e expõe os entes queridos já começa na capela comunitária. O alto-falante da igreja em marcha fúnebre deu lugar ao carro de som, o mesmo que avisa do baile mais tarde.
Melancolia é a cidade que não existe mais. Se eu cair na real, vou me encontrar sem ter para onde ir. Posso até ter onde cair morta, mas onde estarão os vivos para testemunhar essa tragédia? A memória começa a falhar e as mentiras aumentam para virar um texto. Guarani garantida e guardada numa folha de A4 exatamente como eu quero contar. Vai ver por isso meus filhos sentem falta dos meus pés descalços, se espantam com a marca da picada da abelha no meu mindinho e riem da cicatriz no meu queixo, a única que eles conseguem ver.

O conteúdo continua após o anúncio
Nara Vidal

Nara Vidal

Nara Vidal é escritora. Nascida em Guarani, Zona da Mata mineira, em 1974, há quase duas décadas vive em Londres. É autora de mais de uma dezena de títulos, a maioria deles publicados em português. Dentre eles, os infanto-juvenis "Dagoberto" (Rona Editora) e "Pindorama de Sucupira" (Penninha Edições), os de contos "Lugar comum" (Passavento) e "A loucura dos outros" (Reformatório), e o romance "Sorte" (Moinhos), premiado com o terceiro lugar no Oceanos de 2019.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia