Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Gestante com diabetes gestacional pode ter parto normal?

Por Jeanne Carvalho

29/11/2021 às 10h32 - Atualizada 29/11/2021 às 10h32

Diabetes mellitus gestacional (DMG) é a intolerância aos carboidratos diagnosticada pela primeira vez durante a gestação e que pode ou não persistir após o parto. Esta condição está associada com disfunção metabólica em mulheres, que persiste até 3 anos após o nascimento do bebê.

Durante a gestação, ocorrem importantes alterações no metabolismo a fim de suprir as demandas do feto.

O desenvolvimento de resistência à insulina (RI) durante a segunda metade da gestação é resultado desta adaptação, que é mediada por hormônios da placenta, para garantir o aporte adequado de glicose ao feto.

Entretanto, algumas mulheres que engravidam com algum grau de RI, como nos casos de sobrepeso/obesidade, obesidade central e síndrome dos ovários policísticos, este estado fisiológico de RI será potencializado nos tecidos periféricos.

Para diagnosticar a gestante com diabetes gestacional o resultado do exame de glicemia no primeiro trimestre deve apresentar o resultado acima de 92 mg/dL. Nesse caso, deve ser realizado uma segunda dosagem para a confirmação.

Caso a glicemia seja inferior a 92 mg/dL, a gestante será reavaliada durante o segundo trimestre gestacional. Entre a 24ª e a 28ª semana de gestação, a grávida realizará o teste oral de tolerância à glicose, que avalia como o organismo responde à ingestão de açúcares.

No caso da gestante já ter apresentado glicemia acima de 92 mg/dl no primeiro exame ela deve ser acompanhada durante toda a gestação como diabética e o atual protocolo é não fazer o teste de oral de tolerância já que ela está diagnosticada.

O impacto na saúde do bebê  de mães com diabetes gestacional é a maior disponibilidade de glicose e o aumento da produção de insulina no feto a fim de estocar este excesso na forma de energia em suas células.

Este fato fará com que a criança cresça mais do que o esperado, podendo sofrer sérios traumas durante o parto. Além disso, a elevada concentração de insulina pode levar o feto a uma menor oxigenação, o que pode acarretar problemas no desenvolvimento.

O conteúdo continua após o anúncio

O DMG sem controle triplica as chances de uma cesária de emergência e quadruplica a incidência de internamentos de recém nascidos em UTIs neonatais. Estudos indicam que o risco dessas morbidades está diretamente relacionado aos níveis de hiperglicemia materna.

A prevenção é feita com alimentação saudável e exercícios físicos.

Devem ser evitados carboidratos simples, como pão branco, açúcar refinado, arroz branco, entre outros. O consumo de vegetais e legumes deve ser adotado, além de grãos integrais.

Evitar o sedentarismo com a prática de, pelo menos, 30 minutos diários de corrida ou exercícios aeróbicos também é importante na prevenção da diabetes.

O tratamento inicial é feito com orientação alimentar que permita o ganho de peso adequado, além do controle do metabolismo. Deve ser realizado, juntamente com o profissional de saúde, o cálculo do consumo calórico semanal de acordo com o IMC de cada paciente.

Podem ser utilizados, com moderação, adoçantes artificiais na substituição dos açúcares da dieta.

E O PARTO NORMAL, É POSSÍVEL?

Para as gestantes com a glicemia controlada através de exercícios físicos e alimentação pode aguardar o trabalho de parto espontâneo. As gestantes que fazem uso de insulina deve induzir o parto a partir da 37ª semana.

Vale ressaltar que, tanto a dieta quanto os exercícios físicos, devem ser realizados de acordo com a orientação médica e respeitando as contra-indicações obstétricas.

Precisa de ajuda para ter um parto normal mesmo com o diagnóstico de diabetes gestacional? Não deixe de procurar nosso time de especialistas em saúde da mulher da clinica Neonascer. Orientações de exercícios e acompanhamento próximo te ajudará a ter uma gestação segura e tranquila. Acesse www.neonascer.com.br ou ligue 32 3321 6967.

Jeanne Carvalho

Jeanne Carvalho

Fisioterapeuta, acupunturista. Saúde da mulher e assistência humanizada ao nascimento. Cuidados do pré-natal ao pós-parto. Siga meu instagram.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia