Tópicos em alta: eleições 2018 / polícia / outubro rosa

“Inumanos”? Confesso que errei

Por Júlio Black

22/11/2017 às 07h02 - Atualizada 21/11/2017 às 15h42

Oi, gente.

Os heroicos leitores e leitoras da coluna devem se lembrar que comentei, há algumas semanas, sobre a estreia de “Inumanos”, a mais nova série da Marvel. Que havia potencial desperdiçado, mas que não chegava a ser uma porcaria e havia uma premissa interessante, além da esperança de que os próximos episódios poderiam ser melhores.

Pois é, né? Só que errei. Feito. E põe feio nisso, minha gente, tipo espanta neném, porque a verdade é dolorosa: “Inumanos” é ruim demais. É uma desgraça fatiada em oito episódios que nos faz perguntar como a Marvel pensou que essa ideia poderia dar certo.

É uma porcaria. E das grandes. Com tantos defeitos que fica difícil saber por onde começar, mas vamos lá. A premissa original é interessante, com os Inumanos escondidos na Lua, o Maximus tentando usurpar o trono de Raio Negro, a Família Real fugindo para a Terra após o golpe de estado, as diferenças culturais e as tentativas de derrubar o tirano.

O conteúdo continua após o anúncio

Só que o roteiro é péssimo, o desenvolvimento da história e dos personagens é qualquer nota, digna de uma produção meia-boca do SyFy. Não dá pra acreditar nas motivações dos personagens, e as atuações são de doer, exceção feita a Anson Mount (Raio Negro) e Iwan Rheon (Maximus), mas que também não podem fazer muita coisa com o texto que ganharam.

E ainda tem mais. As cenas de ação e de luta são piores que as vistas em “Punho de Ferro”, e os efeitos especiais são franciscanos, para dizer o mínimo. Os cenários de Attilan, então, variam do aceitável ao ridículo: dá pra ver claramente quando a grana ficou curta e a produção teve que usar umas locações externas que mais parecem um canto abandonado do estúdio. A maquiagem parece coisa de teatro amador com altas restrições orçamentárias, fico imaginando o arrependimento no coração do cara que interpreta o Triton (Mike Moh, o nome do infeliz).

Francamente, não dá para entender como a Marvel optou por desistir do filme dos Inumanos e rebaixá-los a uma série tão mal escrita, mal desenvolvida, com efeitos especiais, cenários e maquiagem toscos, com um elenco tão ruim. É de dar vergonha alheia, ainda mais quando comparamos com o que é feito em uma produção como “Star Trek: Discovery”, por exemplo, em que se vê onde o dinheiro foi (muito bem) aplicado.

Como tudo na Marvel é interligado, a Casa das Ideias desperdiçou mal e porcamente um dos cartuchos em que ela apostava para o futuro. É difícil imaginar que “Inumanos” tenha uma segunda temporada, e quero saber como eles vão incluir Raio Negro e sua turma em futuras produções, ainda mais com esse elenco.

Enfim, desculpaí quem seguiu nosso conselho. Se ainda não assistiu, você pode trocar “Inumanos” por “Mindhunter”.

Vida longa e próspera. E obrigado pelos peixes.

Júlio Black

Júlio Black



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia