Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Remédio para a alma

Os Médicos do Barulho começam a voltar a fazer visitas aos hospitais. Eles levam pílulas de alegria que ficaram guardadas por tempo demais. A melhora dos indicadores da pandemia de Covid-19 volta a permitir os encontros, celebrados por pacientes e voluntários

Por Renan Ribeiro

29/04/2022 às 07h00 - Atualizada 29/04/2022 às 00h12

Zapeava distraidamente a programação da TV, quando a cena apareceu. Reparei imediatamente nos instrumentos. Havia um tambor, um triângulo, uma sanfona, um violão e outros que o meu raso conhecimento musical não permitiu identificar. Vestidos com jalecos brancos e com os rostos pintados como palhaços, eles entraram em uma ala de hospital, fazendo festa.

Era uma matéria em que a equipe acompanhava o retorno dos Doutores da Alegria aos hospitais públicos do país. O período pandêmico levou as cores, as risadas e aquela bagunça gostosa desses ambientes. A queda dos índices de internação e de mortes pela Covid-19 permite, aos poucos, que iniciativas como essa sejam retomadas gradualmente.

Àquela altura, a reportagem tinha me pegado. Os pacientes demonstravam com um balançar de corpo, um movimento de cabeça, lágrimas e palmas o quanto aquele gesto desperta de vida neles. E os voluntários do projeto seguiam entrando em outros espaços, levando música e atenção às pessoas, muitas vivendo momentos de grande vulnerabilidade.

O conteúdo continua após o anúncio

Decerto que cada um recebe a ação de uma forma diferente. Eu mesmo, quando passei por uma internação na adolescência, não tive muita paciência para entender o que esse trabalho representa. Minha cabeça estava na possibilidade de alta, que me permitisse estar na casa do meu avô a tempo de participar da festa da véspera do Natal, que por lá era bem animada na época. Desejei que aquela fosse, de fato, uma ‘visita de médico’ e que o especialista que cuidava do meu caso viesse logo para me liberar.

Hoje, com mais maturidade, consigo acessar com mais consciência a relevância da iniciativa. Os remédios e os tratamentos médicos não são os únicos recursos para curar os problemas que enfrentamos. Uma das pacientes deixou isso bem claro, quando disse que a visita ‘era um remédio para a alma’.

Além de cuidar e estar atento às necessidades dos nossos corpos, também é fundamental alimentar e tratar as nossas necessidades subjetivas. Foi nesse sentido que eu finalmente entendi que o que pode estar faltando, às vezes, e eu não conseguia nomear, pode ser encontrado numa música, em uma palavra, no toque, no contato, no abraço, na presença, no olhar. É a oportunidade de se inspirar em algo humano, que nos toque e nos desperte para ver as coisas de forma diferente. Se tivermos um pouco de sapiência, conseguimos encontrar esses elementos, até mesmo em um quarto de hospital.

Renan Ribeiro

Renan Ribeiro

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia