Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

“Quem não se comunica, se trumbica”

Com graça e leveza, Chacrinha nos alertava para um problema que persiste até os dias atuais: a dificuldade de estabelecer uma comunicação eficiente. Evitando a fala truncada, o isolamento exige ainda mais habilidade e sensibilidade ao transmitir ideias

Por Renan Ribeiro

13/08/2021 às 07h00 - Atualizada 12/08/2021 às 23h55

Meus veteranos da faculdade, sabiamente, estamparam uma camisa com uma imagem do Chacrinha, ao lado da máxima, que eu considero absolutamente pertinente e cada vez mais atual. Vejo que a nossa capacidade de comunicação, sem a possibilidade de encontros presenciais e sem o auxílio das expressões faciais, têm nos deixado em situações ingratas. É mais difícil ler as entrelinhas, pegar o significado dos silêncios e as mentes mais agitadas vão longe na interpretação dos sinais que enxergam, muitas vezes, inexistentes.

Há quem deixe de falar para não provocar mais confusões, ou distorções, ou interpretações equivocadas. Mas o não falar é uma escolha que merece tanta atenção quanto um diálogo entre pessoas prolixas, que sempre têm muito a dizer. O que se evita falar também quer dizer muito. Passamos a vida tentando encontrar a maneira certa de emitir opiniões, de tocar em assuntos delicados, ou para aprender a dizer não. O não, não é fácil, definitivamente. Mas é necessário.

Também aprendi que o extremo da sinceridade é a falta de educação. Quem fala tudo que vem à mente, sem filtrar, sem pensar, costuma escorregar feio e cria relações conflituosas e desconfortáveis, que geram a sensação de que há um elefante na sala. Ninguém toca no assunto, mas todos percebem com nitidez a presença de um clima tensionado no ar.

O conteúdo continua após o anúncio

Criamos expectativas a respeito do que queremos que as pessoas percebam, sem que a gente precise vocalizar. No entanto, até o óbvio precisa ser dito. Porque o que está dado, também depende do ponto de vista e da percepção de cada um. Também na época da faculdade aprendi que precisamos respeitar o conhecimento e a ignorância das pessoas. O que também é algo fundamental para que todos consigamos nos comunicar com maior eficiência. Mas isso exige sensibilidade e, nem sempre, encontramos pessoas abertas a essa troca.

A normalização do cansaço que vivemos, em função de todas as tensões e sobrecargas às quais estamos expostos, também nos faz recuar e economizar as palavras e ainda tira a pouca paciência que ainda nos resta. O que também, certamente, atrapalha o processo. Estamos constantemente imersos em problemas de comunicação e eu adoraria ter uma solução concreta e eficaz para apresentar.

Não há atalhos e nem caminho mais fácil. Precisamos, cada vez mais, do exercício da empatia, do esforço de compreensão sincero e da abertura para o outro. Isso leva tempo e exige uma maleabilidade que nem sempre nossas rotinas possibilitam. Por ora, retorno ao Chacrinha, do jeito que as coisas estão: “ninguém veio para explicar, veio para confundir”. O que demonstra que, nem sempre, falar a mesma língua é garantia de que as pessoas vão se entender. Mas se combinarmos direito, todo mundo pode se entender certinho.

Renan Ribeiro

Renan Ribeiro

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia