Tópicos em alta: sarampo / CPI dos ônibus / polícia / bolsonaro / reforma da previdência

Três caminhos para aumentar o lucro do negócio

É importante ter em mente que não existe fórmula milagrosa que possibilite ganhar mais dinheiro sem esforço

Por Bruno Rodrigues Faria, analista do Sebrae Minas

09/07/2019 às 08h00 - Atualizada 08/07/2019 às 11h30

Se há uma palavra que o empresário gosta de ouvir é lucro. Quando uma empresa tem lucro, é sinal de que ela está pagando o investimento realizado, gerando riqueza para seus sócios e proporcionando crescimento a todos os envolvidos.

Mas, afinal, como obter maior lucro? O que fazer para melhorar o resultado?

 Antes de tudo, muita calma nessa hora! Não pense que existe fórmula milagrosa que possibilite ganhar mais dinheiro sem esforço. O que vamos apresentar aqui são caminhos a seguir, estratégias a executar, que demandam do empreendedor dedicação e visão de mercado.

Caminho nº 1: Aumentando o faturamento

Essa talvez seja a forma mais óbvia quando se pensa em crescimento. Para ganhar mais, é preciso vender mais. Mas, apesar de o raciocínio estar correto, existem formas diferentes para aumentar o faturamento da empresa.

Comece avaliando o investimento em publicidade que a empresa realiza. Muitos empresários não fazem propaganda, mas, ao começar a divulgar os produtos focando no seu público-alvo, já é possível ter resultados significativos. Para quem já faz, uma opção é ampliar a divulgação para públicos diferentes, expandindo para – ou seja, áreas ou segmentos que ainda não foram trabalhados.

Outra estratégia válida pode ser vender mais produtos para o mesmo cliente que já é fiel à empresa, incentivando vendas adicionais (como um café ou sobremesa após a refeição) ou aumentar a frequência de compra dentro do mês (ex.: incentivar um cliente de uma escola de natação a fazer mais aulas por semana). Lançar produtos novos periodicamente também pode ajudar, seja pela novidade ou para atrair perfis de público diferentes (como uma opção de um salgado vegano numa lanchonete).

Adotar metas de resultado para a sua equipe, principalmente atreladas a incentivos de remuneração e facilidades comerciais, também pode contribuir para gerar maior força de vendas. Outras opções menos tradicionais podem ser avaliar como aumentar a taxa de conversão ou até mesmo trabalhar para que clientes que deixaram de comprar voltem a fazê-lo.

Caminho nº 2: Aumentando a margem

Se não for possível aumentar o volume de vendas, como proposto acima, o empresário pode trabalhar a margem dos produtos e serviços. Afinal, se você vender a mesma quantidade, mas ganhar mais a cada venda, o lucro será maior no fim do mês.

O conteúdo continua após o anúncio

Isso pode ser feito buscando aumentar o valor agregado do produto. Estratégias como melhorias visuais (embalagem, por exemplo), investir em novos diferenciais, argumentação de vendas mais convincente, demonstrações, construção de uma marca forte ou adicionar novas funcionalidades podem convencer o cliente a pagar mais por algo que atende melhor suas expectativas. O importante é agregar um valor maior para o cliente, com um pequeno aumento no custo.

O caminho reverso também funciona, ou seja, reduzir principalmente os gastos variáveis. Ter maior poder de barganha junto aos fornecedores por meio de compras maiores, usar formas de pagamento para obter descontos em compras ou substituir insumos por outros equivalentes mais baratos são opções. Lógico que isso pode afetar a qualidade do produto, mas, desde que ele continue atendendo satisfatoriamente o consumidor, essa estratégia pode gerar bons resultados.

Pode-se tentar também baixar tarifas cobradas por operadoras de cartão, custos de entrega ou logísticos e avaliar possibilidades de redução de desperdícios e defeitos. Eliminar adereços e funcionalidades com os quais os clientes não se importam também pode deixar seu custo mais enxuto. Para quem fabrica, produzir em menor tempo ou com menos mão de obra fará a margem de lucro aumentar.

Caminho nº 3: Reduzir e controlar despesas

Esse caminho pode ser o mais sofrido, pois cortar gastos significa muitas vezes ter que aprender a viver em uma nova realidade. Mas, antes de pensar no que cortar, comece melhorando o controle de gastos. A falta de uma boa gestão financeira pode levar a empresa a comprar coisas de que nem precisa realmente. Ter um bom controle mensal e acompanhar esse orçamento é o primeiro passo para identificar de onde o dinheiro está saindo sem necessidade. Isso vale muito para o próprio controle de despesas pessoais do sócio!

Se for preciso economizar, comece avaliando contas recorrentes. Tente negociar planos de telefonia e internet, serviços, tarifas bancárias, dentre outros, que estão em excesso. Negocie e compare com outros fornecedores. Pequenos ganhos mensais trazem grande impacto ao lucro anual da empresa. A partir do mesmo raciocínio, avalie se há serviços que não estão sendo plenamente utilizados. Muitas empresas contratam sistemas e não utilizam todas as suas funções, por exemplo. Assim é possível usar serviços mais simples, sem perder capacidade operacional.

Investir em tecnologias e organização de processos pode fazer uma grande diferença. Uma gestão eficiente permite ter uma equipe mais enxuta e igualmente eficiente. Vale lembrar, contudo, que os efeitos desses investimentos costumam ser percebidos mais a longo prazo. Como exemplo, hoje já existem empresas que adotam home office e, com isso, reduzem gastos de estrutura física de escritório (aluguéis, energia, depreciação e até material de trabalho).

Não é mágica, é matemática! 

As ideias acimas apontam caminhos diferentes que podem ser trilhados em sua empresa. Não existe fórmula mágica, mas, com estratégia e um planejamento na ponta do lápis, é possível combinar diversas ações para alavancar os resultados e fazer o seu negócio crescer. Cabe a você, agora, entender quais dessas ideias estão mais próximas da sua realidade e usar sua competência para fazer diferente!

Sebrae Minas Regional Zona da Mata e Vertentes

Sebrae Minas Regional Zona da Mata e Vertentes

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia