Tópicos em alta: delivery jf / eleições 2020 / coronavírus / greve / polícia

Um dedo e meio

Por Júlia Pessôa

13/09/2020 às 07h00 - Atualizada 10/09/2020 às 13h03

Para ser honesta, tenho sido bem insubordinada às ordens do Brasil, que tem sido cada vez mais incisivo ao nos obrigar a beber. Assim, entre as muitas “ressignificações” que tenho feito no “novo normal” – revirando os olhos  diante das duas insuportáveis expressões -, tornei-me quase abstêmia, já que vejo pouca graça na boemia asséptica e sem fartura de gente. E embora morra de saudades, só me entrego novamente à sua deliciosa insalubridade quando minha imunidade e a das outras pessoas não for refém de um natimorto “com todos os cuidados necessários”.

Nesses dias em que o sol tem estalado nos parapeitos de quem tem sorte de vê-lo, o azul do céu parece o próprio diabo sussurrando tentações da vida aglomerada ao pé de nossos ouvidos. É nesses momentos  que me bate a pulsão de boemia. E vem acompanhada de um desejo muito específico, a despeito de nossa geolocalização de polo cervejeiro artesanal. Um chope Brahma em copo resfriado, estando de gelado, bem tirado, com um dedo e meio de colarinho escapando pelas bordas.

O conteúdo continua após o anúncio

“Acho que tomava uns mil”, disse ao Matheus, movida pela nostalgia e pelo meu costumeiro exagero retórico.

Rimos e voltamos aos afazeres. Mas logo franzi o cenho ao concluir que do chope proverbial em milhar, ficamos só com essa infindável ressaca.

Júlia Pessôa

Júlia Pessôa

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia