Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Prisão de ventre: saiba o que é, sintomas, tratamentos e causas

Por Alice Amaral

27/07/2021 às 17h01 - Atualizada 27/07/2021 às 17h08

Prisão de ventre, também chamada de intestino preso e constipação intestinal, é quando uma pessoa evacua menos de três vezes por semana, ou tem dificuldade para evacuar, mesmo sentido vontade e necessita de muito esforço para esvaziar o intestino e, fica ainda, aquela sensação de que as fezes não foram eliminadas totalmente.

Isso acontece quando há lentidão dos movimentos peristálticos do intestino, que são responsáveis por empurrar o bolo fecal do intestino grosso até o reto para ele ser eliminado. Essas fezes costumam ser calibrosas (grossas), ressecadas, ou por vezes, caprílicas, parecendo de “cabrito”.

O número de evacuações considerado normal varia de três ao dia até três por semana, mas o ideal é funcionar diariamente.

A prisão de ventre acomete mais de 20% da população e pode ocorrer em bebes, crianças, adultos e idosos. Além disso, ela é duas vezes mais comum em mulheres, devido às alterações hormonais e a gravidez. As outras causas são: o sedentarismo, falta de exercícios físicos (principalmente os aeróbicos que estimulam o movimento peristáltico), ignorar repetidamente a vontade de evacuar, ansiedade, estresse, depressão, medicamentos como os antidepressivos, tranquilizantes, anti-hipertensivos, suplementos com ferro e cálcio, doenças como diabetes, problemas de tireoide, Parkinson, Alzheimer, doenças de Crohn, síndrome do intestino irritado, diverticulite, câncer de colo, doenças autoimunes e, principalmente, alimentação pobre em fibras e líquidos.

Sintomas

Os sintomas são vários, entre eles, cólicas, desconforto e distensão abdominal (inchaço), gases em excesso, falta de energia e irritabilidade (a pessoa fica “enfezada”).

Complicações

As fezes grossas podem causar dor anal, hemorroida, fissura anal e ainda favorece o ganho de peso. Isso sem contar que as complicações, além das hemorroidas e fissura anal, podem causar fecaloma, que nada mais é que um tumor de fezes endurecidas, que em muitos casos, é necessário fazer uma lavagem para retirá-lo.

Além disso, pode causar prolapso retal, quando a parede do reto tende a exteriorizar através do ânus; incontinência anal, que é uma perda involuntária de fezes, ou gases pelo anus, e até um cancro do intestino que pode levar à morte.

A má alimentação pode ser a principal causa da prisão de ventre. Por isso é fundamental seguir uma dieta equilibrada. A água é o a alimento mais importante que existe, por isso é fundamental aumentar o consumo para melhorar o transito intestinal. O ideal é tomar um litro de água para cada 20 quilos de peso corporal. Ou seja, uma pessoa que pesa 60 quilos, tem que tomar 3 litros de água por dia.

Outras dicas

Fazer o uso de alimentos ricos em fibras como frutas, legumes, verduras, cereais integrais, alimentos probióticos, como kefir, kombucha e evitar os alimentos industrializados, as carnes processadas, os ‘fast food’, os alimentos ricos em açúcar, farinha refinada e refrigerante.

O conteúdo continua após o anúncio

Além da dieta é preciso tentar gerenciar o stress, fazer atividade física regularmente e evacuar quando sentir vontade. O ideal é manter sempre um mesmo horário para evacuar. E lembre-se: o intestino tende a funcionar melhor após as refeições.

Receita de salada de frutas rica em fibra

1 unidade de kiwi picado

2 unidades de ameixa seca

1/4 de mamão papaia picado

1 colher de sobremesa rasa de psyllium

1 colher de sopa de quinoa em flocos

5 unidades de castanha de caju

Canela a gosto

Modo de preparo

Em uma tigela incluir as frutas já picadas e as castanhas, por fim acrescentar a quinoa em flocos, psyllium e canela em pó. Consumo imediato, não armazenar.

Alice Amaral

Alice Amaral

Médica - Título de Especialista em Nutrologia – RQE 9884 - Título de Especialista em Medicina do Esporte – RQE 9895 - Título de Medicina Física e Reabilitação - RQE 44090

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia