Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Entenda o que é síndrome metabólica

Por Alice Amaral

26/06/2022 às 07h06 - Atualizada 26/06/2022 às 07h07

Síndrome metabólica é um conjunto de fatores que aumentam o risco da pessoa de desenvolver doenças cardíacas, AVC (derrame) e diabetes. Ela tem como base a resistência à ação da insulina (hormônio responsável por transformar a glicose em energia ou armazená-la em forma de gordura), obrigando o pâncreas a produzir mais insulina.

Estima-se que de 20 a 25% da população adulta apresenta essa condição devido ao aumento da obesidade e a tendência é que esse quadro só aumente. Nos EUA, por exemplo, mais de 40% das pessoas acima de 50 anos apresentam a síndrome metabólica. Ela é mais comum em homens e em mulheres menopausadas, nas adolescentes e até crianças são acometidos.

A síndrome metabólica está ligada diretamente à obesidade. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estabelece que a medida da circunferência abdominal igual ou superior a 94 cm em homens e 80 cm em mulheres já aumenta o risco de doenças cardíacas. Mas, no caso da síndrome metabólica, a circunferência abdominal acima de 120 cm em homens e 88 cm em mulheres associado a, pelo menos, dois outros fatores de risco já vai caracterizar síndrome metabólica.

O conteúdo continua após o anúncio

Quais são os fatores de risco?

Glicose em jejum igual ou acima de 100 mg/dL
Pressão arterial acima de 135 por 80 mmHg
Triglicérides acima de 150mg/dL;
HDL (chamado colesterol bom, baixo – nos homens abaixo de 40 mg/dL e nas mulheres, abaixo de 50 mg/dL).

É importante destacar que a síndrome metabólica é uma doença que está ligada ao estilo de vida atual, causada pelo sedentarismo e pela má alimentação, que vai levar a um quadro de obesidade. Além disso, nós temos fatores que vão estimular a doença, como a genética, o envelhecimento, a menopausa, o estresse, a má qualidade do sono e também os usos de alguns medicamentos que podem aumentar a pressão arterial, a glicose, o colesterol e favorecer o ganho de peso, como é o caso de remédios para alergia, alguns remédios para tratar de doenças inflamatórias, HIV e problemas psiquiátricos.

Além das doenças cardíacas, AVC e do diabetes, a síndrome metabólica pode causar outras complicações, como esteatose hepática (gordura no fígado), gota, doença renal crônica, apneia do sono, a síndrome do ovário policístico (em mulheres) e a disfunção erétil (nos homens).

O tratamento, basicamente, é a mudança do estilo de vida, fazendo dieta e atividade física.

Alice Amaral

Alice Amaral

Médica - Título de Especialista em Nutrologia – RQE 9884 - Título de Especialista em Medicina do Esporte – RQE 9895 - Título de Medicina Física e Reabilitação - RQE 44090

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia