Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

A alimentação de crianças menores de 2 anos de idade não melhorou na última década!

Por Alice Amaral

12/10/2021 às 08h43 - Atualizada 12/10/2021 às 08h43

A alimentação de crianças menores de 2 anos não melhorou na última década, foi o que mostrou um relatório divulgado no dia 22 de setembro pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) Segundo o documento, apenas metade das crianças de 6 a 23 meses de idade faz o mínimo de refeições recomendadas por dia e apenas 1/3 consome o mínimo de grupos de alimentos que precisa para se desenvolver. A pandemia da Covid-19 contribuiu ainda mais para agravar a situação.

Esses dados só confirmam o relatório “Situação Mundial da Infância”, lançado em 2019 pela própria UNICEF, que destaca que uma a cada três crianças menores de 5 anos não cresce adequadamente. Esse relatório aponta, ainda, que quase duas a cada três crianças entre seis meses a 2 anos de idade não recebem alimentos suficientes para promover o desenvolvimento do seu corpo e do seu cérebro; levando a uma dificuldade de aprendizagem, diminuição da imunidade, aumento do risco de infecções até a morte.

Crianças com menos de 2 anos de idade são mais vulneráveis a essa desnutrição e a ingestão nutricional precária pode causar alterações irreversíveis para o resto da vida, comprometendo a escolaridade e a perspectiva de futuro. Apesar do declínio da desnutrição dos últimos anos, 149 milhões de crianças com menos de 5 anos sofrem de déficit de crescimento, 50 milhões têm baixo peso, 340 milhões sofrem de fome oculta (deficiência de vitaminas e minerais) e as taxas de sobrepeso e obesidade estão subindo rapidamente.

O conteúdo continua após o anúncio

De 2000 a 2016, a proporção de crianças com excesso de peso aumentou de um em dez a um em cinco. O sobrepeso infantil leva ao aparecimento precoce de diabetes tipo 2, além da estigmatização e depressão. Nós passamos de um quadro de desnutrição para um quadro de desnutrição, porque o obeso é desnutrido. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda só leite materno até seis meses de idade, mas apenas duas em cada cinco crianças são amamentadas exclusivamente conforme o recomendado.

A venda de fórmulas à base de leite de vaca cresceu 41% no mundo e 72% nos países de renda média/alta como Brasil, China e Turquia. A introdução alimentar deve ser feita a partir do sexto mês, porém, 445 das crianças de seis meses a 23 meses não são amamentadas com frutas e legumes. Além disso, 51% não são alimentadas com peixe ou outro tipo de carne, 42% dos adolescentes bebem refrigerante pelo menos uma vez ao dia e consomem ‘fast food’ pelo menos uma vez por semana.

A globalização está moldando as opções e escolhas dos alimentos. Segundo levantamento, 77% das vendas de alimentos processados em todo mundo são controladas apenas por 100 grandes empresas.

Investir na alimentação das crianças é fundamental para a formação de um capital humano de qualidade. A nutrição é essencial ao crescimento, ao desenvolvimento cognitivo, ao desempenho escolar e à produtividade futura das crianças.

Alice Amaral

Alice Amaral

Médica - Título de Especialista em Nutrologia – RQE 9884 - Título de Especialista em Medicina do Esporte – RQE 9895 - Título de Medicina Física e Reabilitação - RQE 44090

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia