Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Fibromialgia: o que é e como cuidar

Por Alice Amaral

09/04/2021 às 11h29 - Atualizada 12/04/2021 às 07h41

Fibromialgia é uma doença crônica que produz dor generalizada nos músculos e no tecido fibroso (tendões). Ela é uma síndrome que inclui várias manifestações além da dor, como fadiga, alteração do sono, ansiedade, depressão, alteração da memória, da atenção e também alterações intestinais. É mais frequente entre as mulheres, na faixa etária de 30 a 60 anos, mas pode aparecer em qualquer idade.

Uma das características da fibromialgia é a grande sensibilidade ao toque e a compressão da musculatura. É importante ressaltar que o diagnóstico da fibromialgia é clínico, ou seja, não existe um exame específico para detectar a doença. O paciente que apresenta uma dor por mais de três meses e tem pontos dolorosos em dois lados do corpo (abaixo e acima da cintura) pode ser diagnosticado com a doença.

Sintomas

Os sintomas, além das dores, são rigidez matinal, cefaleia, formigamento ou sensação de frio nas mãos e nos pés, palpitação, dor ao urinar, insônia, cansaço, cólica menstrual, náusea, prisão de ventre, gases, síndrome do intestino irritável (que é uma alteração gastrointestinal, caracterizada por dor abdominal e prisão de ventre ou diarreia). Esses sintomas podem piorar após um esforço físico intenso, um stress emocional ou exposição ao frio.

Os pacientes apresentam um aumento da sensibilidade para dor devido à alteração nos neurotransmissores. Portanto, qualquer estímulo, alteração na temperatura ou fator emocional acaba gerando uma crise e o paciente fica num círculo vicioso, com alteração psicológica/crise e vice e versa.

Importante frisar que a causa é desconhecida. No entanto, os pacientes apresentam níveis baixos de serotonina, além de uma predisposição genética ( é comum em pessoas da mesma família).
Também pode ser causada por doenças autoimunes, ansiedade, depressão, excesso de esforço físico e psicológico.

Alimentação

A alimentação alivia os sintomas, principalmente as dores e previne o aparecimento. Por isso, é preciso evitar glúten, alimentos industrializados, ‘fast-food’, cafeína, além de ser indicado diminuir o açúcar, o sal e o álcool. Também é importante lançar mãos dos alimentos ricos em

O conteúdo continua após o anúncio

-Triptofano, precursor da serotonina que ajuda a melhorar o humor e o sono e a diminuir a dor (abacate, banana, ovo, amêndoas, castanha de caju, chocolate amargo e couve flor);

– Ômega 3, que diminui a fadiga e a tensão muscular (sardinha, salmão, nozes, linhaça, azeite de oliva extravirgem);

– Magnésio, importante para o relaxamento muscular (cereais integrais e vegetais escuros);

– Cálcio (brócolis, castanha de caju);

Além disso, é fundamental aumentar o consumo de água, frutas, legumes e verduras e incluir probióticos como o kefir na alimentação.

*O tratamento é feito com medicação para aliviar as dores, melhorar o sono , a ansiedade x depressão, por isso é importante a alimentação equilibrada é um forte aliado!

 

 

Alice Amaral

Alice Amaral

Médica - Título de Especialista em Nutrologia – RQE 9884 - Título de Especialista em Medicina do Esporte – RQE 9895 - Título de Medicina Física e Reabilitação - RQE 44090

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia