Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Total Jeans

Um clássico imbatível! O favorito de quase todos os guarda-roupas, a peça mais democrática da moda, a mais versátil! São muitos os motivos que fazem do jeans a peça mais usada da moda. Segundo a Global Lifestyle Monitor , a maioria da população mundial veste denim ao menos 3 vezes por semana.

Por Ana Paula Calixto

25/03/2022 às 12h15 - Atualizada 25/03/2022 às 12h15

De um bebê saindo da maternidade a jovens de todas as idades, o jeans veste dos 0 aos 100 anos! E veste o look completo, a produção total jeans dá vida aos mais diversos estilos. Escolha o seu!

Um pouco de história:
Supõe-se que a palavra denim venha do francês “serge de nîmes”, um tecido usado desde o século XVI na Europa para o vestuário de trabalho no campo. Só em 1873 que ganhou destaque após o negociante americano Levi Strauss e o alfaiate Jacob Davis projetarem a primeira calça jeans com pequenos rebites de cobre para fortalecer as costuras. No início as peças eram utilizadas por homens que executavam trabalhos manuais pesados, como caubóis e construtores de ferrovias, pois durava mais que outros materiais.
No início, a calça jeans era chamada de waist- overalls, ou seja, uma calça com suspensórios, parecida com uma jardineira.
Na década de 1930, o jeans chegou à moda em parte graças aos faroestes. Dos anos 30 aos anos 50 o jeans ficou praticamente restrito ao ambiente das fábricas às férias no campo.
Durante e após a II Guerra Mundial muitos europeus e asiáticos viram o jeans pela primeira vez – usados por soldados norte-americanos em folga – o que gerou enorme demanda. Na Grã Bretanha, por exemplo, multidões de adolescentes tentavam compras jeans dos marinheiros ainda no porto após o desembarque.
O primeiro jeans com zíper foi lançado em 1954, pela Levi Strauss, antes todos eram fechados com botões.
Em 1950 virou símbolo da juventude e da rebeldia, ganhando as ruas graças à influência de Elvis Presley e os galãs James Deam e Marlon Brando estrearam nas telas usando jeans.
A primeira calça jeans feminina foi criada em 1934, a Lady Levi´s. Antes disso as mulheres pegavam as peças de maridos, irmãos e namorados para trabalhar no campo e nas fábricas. Somente no fim dos anos 60 a peça se consagra definitivamente no guarda-roupa feminino e vira moda com lançamentos especiais.
Marilyn Monroe foi uma das primeiras mulheres a lançar a moda do jeans justo, no início dos anos 50. Adquiria modelos masculinos em saldos de uniformes do exército ou da marinha, entrava no mar, depois tomava sol até a calça secar e virar uma segunda pele.
Nos anos 70 chega às passarelas com Calvin Klein e Yves Saint Laurent.
No final da década de 70, no Brasil, o jingle “ Liberdade é uma calça velha azul e desbotada” da U.S.Top vira uma marca. E a Inega cria o slogan “barriguinha pra dentro e bumbum pra fora”. Era o primeiro jeans com elastano. Ao mesmo tempo, o movimento punk traz tachas e alfinetes para o jeans. É versão rasgada, destruída do jeans.
Nos anos 80 explodem as grifes como Ellus e Fiorucci. A peça entra firme na noite, justa, escura, com blusas de seda e salto alto
Nos anos 90 surge a estética grunge, com calças largas, caídas. O jeans aparece como peça obrigatória nas coleções de várias grifes.
No início dos anos 90, Gianni Versace foi o primeiro estilista a usar denim numa coleção de alta costura. Ele juntou camisa jeans com uma saia longa de seda e renda e colocou jaquetinhas sobre vestidos de baile. Cada peça custava milhares de dólares.
Nos anos 2000, nos Estados Unidos, as mulheres desbancam os homens e passam a ser as principais consumidoras das Levi’s.
O jeans foi eleito a vestimenta do século XX pela revista Time.

“Queria ter inventado o blue jeans. Ele tem sex appeal e simplicidade – tudo o que eu imagino quando faço as minhas roupas” Yves Saint Laurent

O conteúdo continua após o anúncio

 

 

Fonte: O livro da moda – Publifolha
FICHA TÉCNICA:
FOTOS: TIAGO NIEVES
LOOKS: HILL STORE & CARICATURA
ACESSÓRIOS: JOIAS KETHER
BELEZA: EQUIPE JAEL PIFANO & PÂMELA OLIVEIRA

Ana Paula Calixto

Ana Paula Calixto

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia