Tópicos em alta: chuva / cerveja contaminada / carnaval / polícia / eleições 2020 / bolsonaro

Apesar de você

Por Gabriel Ferreira Borges

24/12/2019 às 07h11 - Atualizada 23/12/2019 às 18h36

Embora presidido por Rodolfo Landim, o rubro-negro encerra o ano orgulhoso. Pudera, o bicampeonato continental, bem como o hepta nacional, veio a galope. No entanto, o Clube de Regatas do Flamengo – como qualquer agremiação popular -, enquanto instituição, confunde-se com responsabilidade social. E, nesta seara, como diria o outro, o Flamengo fracassou retumbantemente. A largada à temporada fora deflagrada, tragicamente, em 8 de fevereiro, no Ninho do Urubu, com a morte de dez jogadores das categorias de base. Se esta temporada será lembrada como a de Jorge Jesus e companhia, deverá, necessariamente, ser lembrada como a das mortes dos garotos do Ninho.

Landim, ao passo que se esquivou de temas notáveis, preocupou-se, demasiadamente, com notas ínfimas. Às vésperas de o Flamengo entrar em campo, em Doha, Catar, contra o Liverpool, por exemplo, o presidente vetou o repasse de prêmios ao elenco, superiores a R$ 150 milhões, ao discordar da distribuição acordada entre os atletas. Os jogadores distribuiriam 30% do valor total a funcionários do departamento de futebol e à comissão técnica. Como não é surpresa, a meritocracia é válida aos tecnocratas apenas quando lhes convêm.

O conteúdo continua após o anúncio

Da mesma maneira, Landim questionara os valores pleiteados pelas famílias cujos filhos foram mortos – R$ 2 milhões por vítima, mais uma pensão de cem mil mensais até 45 anos completados – em negociação extrajudicial com a Defensoria Pública e o Ministério Público do Rio de Janeiro. Em entrevista a’O Globo, Landim, ao ser questionado sobre o tratamento dado às famílias, mostrou satisfação ao responder que paga R$ 5 mil às famílias, comparando tal valor às bolsas de R$ 800 anteriormente quitadas. Reclamou ainda de “estratégias que por vezes colocam barreiras no seu contato com a família”; depois de refutar a oferta dos órgãos públicos, o clube se sujeitou a esta condição, ora.

Não há bandeira a meio mastro ou símbolo de luto que resguarde o Flamengo de sua responsabilidade social e do tratamento mesquinho para com as famílias desde as mortes. A menos de dois meses de completar um ano do acidente, a preferência em enfrentar uma cruzada judicial é perceptível. Aos rubro-negros, no entanto, cabe entender que a atual gestão, bem como a passada, deve ser diariamente cobrada, independentemente de sucesso esportivo, pois, ao contrário do futebol, não há correção de rota ou reparação após incidentes fatais.

Gabriel Ferreira Borges

Gabriel Ferreira Borges

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia