Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Flamengo e Renato são uma simbiose megalomaníaca

Não haverá meio-termo na primeira passagem do técnico pelo Rubro-negro, até porque a racionalidade é intolerável para megalomaníacos

Por Gabriel Ferreira Borges

20/07/2021 às 07h00 - Atualizada 19/07/2021 às 20h31

Renato Portaluppi inevitavelmente treinaria o Flamengo. Apenas não se sabia por que somente agora. Renato, assim como qualquer rubro-negro, é um fanfarrão. Uma espécie de presunçoso caricato de tão eufórico. A realidade é um mero detalhe porque nem tudo se dá exatamente neste plano. Por isso, o retorno de Renato ao Flamengo é uma simbiose megalomaníaca. Ainda que o trabalho do técnico à frente do Grêmio tenha sido vitorioso, Renato Portaluppi é uma aposta metafísica. Diante da iminente ruptura brusca com Rogério Ceni, Renato é uma busca por uma reconciliação entre o Flamengo e o que é ser Flamengo.

renato-portaluppi-flamengo-by-alexandre-vidal
Renato Portaluppi é uma aposta metafísica do Flamengo (Foto: Alexandre Vidal/Flamengo/Divulgação)

É verdade que boa parte dos rubro-negros era resistente à contratação de Renato. E não faltavam argumentos extremamente lógicos – outros, igualmente legítimos, nem tanto. Só que talvez, em última instância, a rejeição era paradoxalmente por Renato ser a imagem e semelhança do rubro-negro. De tão parecidos, soava como loucura imaginá-los juntos. E eventualmente pareceria inexplicável torcer o nariz para o óbvio. Mas é que, enquanto jogador, Renato transita no imaginário rubro-negro entre o amor e o ódio. Entre o gol contra o Atlético pela semifinal do Brasileiro de 1987 e aquele outro contra o Flamengo, pelo Fluminense na final do Carioca de 1995.

O conteúdo continua após o anúncio

Não há meio-termo no imaginário rubro-negro, até porque a racionalidade é intolerável para megalomaníacos. E, por isso, não haverá meio-termo na nova passagem de Renato pelo Flamengo, agora como treinador. A estreia contra o Defensa y Justicia, em Florencio Varela, foi simplesmente miserável. Já o jogo contra o Bahia em Pituaçu, monumental. Não por acaso o humor rubro-negro oscila justamente entre esses dois estados de espírito. O único agravante é que Renato não tem problema algum com isso. Mas São Judas Tadeu é o santo das causas desesperadas.

Flamengo e Renato são um acontecimento que bastaria por si só. Até por isso as expectativas não estão tão claras, ao contrário das circunstâncias. Os rubro-negros, por exemplo, vivem às sombras de Jorge Jesus. Tanto é que Rogério Ceni aparenta ser apenas um asterisco na conquista do bicampeonato brasileiro. Renato, por sua vez, vive às sombras do Grêmio campeão da Copa do Brasil e da Libertadores da América. Flamengo e Renato são um encontro apaixonadamente inconsequente.

Gabriel Ferreira Borges

Gabriel Ferreira Borges

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia