Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / polícia / eleições 2020 / bolsonaro

A importância do Empreendedorismo Feminino

Empreendedorismo feminino é qualquer ação empreendedora realizada especialmente por mulheres. Quando falamos de empreendedorismo, muitas vezes reduzimos nosso pensamento às grandes empresas e projetos, mas o conceito de empreendedorismo feminino vai muito além disso.

Por Saliza Serodio

07/02/2020 às 18h18 - Atualizada 07/02/2020 às 18h18

Já não resta dúvidas: a mulher tem buscado diversificar de trabalhar, sustentar a família e ter independência financeira.

As brasileiras têm alcançado maior índice de escolaridade e se destacam na participação econômica, com ótimas ações de empreendedorismo feminino.

Para as mulheres, social e antropologicamente, o dinheiro é sinônimo de liberdade, é poder dizer “sim” ou “não” a quaisquer situações, em quaisquer âmbitos de suas vidas – perpassa a ideia simplória de “independência financeira”.

É por isso que muitos eventos sobre empreendedorismo feminino crescem no Brasil (e em Juiz de Fora), fomentando redes de apoio entre mulheres que visam crescimento empresarial e, por que não, pessoal.

Dessa forma, incentivar o empreendedoras é fundamental para que essas mulheres possam aumentar seus rendimentos, gerar empregos, ter sustentabilidade no mercado e, sobretudo, ser independentes e protagonistas de suas vidas.

Saliza Serodio, empreendedora, à frente da equipe Corpo S/A
Saliza Serodio (de preto), empreendedora, à frente de sua da equipe Corpo S/A

Alguns números

De acordo com dados do Sebrae, nos últimos dois anos, a proporção de mulheres empreendedoras que são “chefes de domicílio” passou de 38% para 45%. Com o avanço, a atividade empreendedora passou a conferir às donas de negócio a principal posição em casa, superando o percentual de mulheres na condição de cônjuge (situação verificada quando a principal renda familiar provém do marido).

O conteúdo continua após o anúncio

Outros dados importantes: as mulheres empreendedoras são mais jovens e têm um nível de escolaridade 16% superior ao dos homens. Entretanto, elas continuam ganhando 22% menos que os empresários, uma situação que vem se repetindo desde 2015, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2018, os donos de negócio do sexo masculino tiveram um rendimento mensal médio de R$ 2.344, enquanto que o rendimento das mulheres ficou em R$ 1.831.

A desvantagem para as empresárias também é significativa quando se trata de acesso a crédito e linhas de financiamento. As mulheres empresárias acessam um valor médio de empréstimos de aproximadamente R$ 13 mil a menos que a média liberada aos homens.

As mulheres empreendedoras representam hoje 48% dos microempreendedores individuais (MEI), atuando principalmente em atividades de beleza, moda e alimentação. Quanto ao local de funcionamento do negócio, 55,4% das MEI estão sediadas em casa.

E por que estamos falando sobre empreendedorismo feminino?

Acreditamos que empreendedorismo representa uma importante alavanca para o empoderamento feminino.

A Corpo S/A nasceu do sonho de uma menina de 21 anos recém-formada em Estética, que queria transformar essa profissão em um meio capaz de levar às pessoas saúde, bem-estar e autoestima. Ela sempre acreditou que esses são fatores importantíssimos para a felicidade, porém entendia que, nesse cotidiano cada vez mais atribulado, cuidar de si estaria sempre em último plano. Portanto, até hoje, incentiva a correta gestão do tempo, das finanças e a priorização de si mesma.

Saliza Serodio é empreendedora, mãe, gestora e protagonista de sua vida.

Saliza com equipe e filha
Saliza retorna ao trabalho após o nascimento de sua filha, Maria

Saliza Serodio

Saliza Serodio

Saliza Serodio, 30 anos, formada e atuante na área da estética e imagem pessoal no mercado de Juiz de Fora há quase 10 anos. Proprietária da clínica Corpo S/A, busca desenvolver um trabalho que auxilie no desenvolvimento de melhorias na saúde e bem estar, entendo que esses pontos impactam diretamente na qualidade de vida das pessoas.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia