Tópicos em alta: delivery jf / eleições 2020 / coronavírus / greve / polícia

Coronavírus na Gravidez, Parto e Amamentação: eis o que você precisa saber

Por Jeanne Carvalho

17/03/2020 às 06h14 - Atualizada 16/03/2020 às 23h25

 

 

Se você está grávida e / ou deve dar à luz em breve, é melhor obter informações de fontes confiáveis como a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Royal College of Obstetricians e o Departamento de Saúde do governo australiano.

Aqui estão as principais mensagens para levar para casa:

É um novo vírus

Como o COVID-19 é um novo vírus, estamos aprendendo mais sobre ele todos os dias. Como a maioria das mulheres grávidas é jovem e geralmente saudável, é menos provável que seja severamente afetada (o que é uma boa notícia). Mas, como também há um bebê a considerar, a situação pode ser mais complexa.

Um bebê nascido recentemente de uma mãe no Reino Unido com COVID-19 recentemente testou positivo logo após o nascimento, mas não temos certeza se ele foi infectado no útero (improvável) ou após o nascimento (mais provável).

Até onde sabemos, o bebê está bem e a mãe está sendo tratada. Outros relatórios sobre bebês com COVID-19 também mostraram que eles apresentaram sintomas leves e uma boa recuperação.

Da experiência da China aos conselhos da OMS até o momento, muitas das informações sobre o COVID-19 vieram da China. Foi daí que surgiu um dos primeiros estudos, envolvendo apenas nove mulheres grávidas com COVID-19. Todas essas mulheres tiveram cesarianas, nenhuma estava gravemente mal e todas as mães e bebês se recuperaram. O estudo constatou que nenhum dos bebês parecia ter COVID-19 e não havia evidência do vírus no bebê, leite materno ou fluido ao redor do bebê. Não está claro por que esses bebês nasceram por cesariana. A China tem uma taxa de cesariana muito alta, o que não é ideal, e isso pode ter influenciado a maneira como eles responderam. As novas diretrizes da Organização Mundial da Saúde declaram: não há evidências de que as mulheres grávidas apresentem sinais ou sintomas diferentes ou estejam em maior risco de doença grave. Até o momento, não há evidências sobre a transmissão de mãe para filho quando a infecção se manifesta no terceiro trimestre … A OMS recomenda que a cesariana seja idealmente realizada somente quando justificado por medicação.

Por que as mulheres grávidas NÃO são mais suscetíveis ao COVID-19?

As mulheres grávidas são geralmente mais suscetíveis a vírus que causam problemas respiratórios (como a gripe). Sua imunidade é reduzida, seus pulmões são mais comprimidos e precisam de mais oxigênio. No entanto, esse não parece ser o caso do COVID-19. Em uma análise de 147 mulheres com COVID-19, apenas 8% apresentaram doença grave e 1% estavam em estado crítico. Isso é mais baixo que a população em geral. A resposta imune reduzida da gravidez, necessária para impedir que o corpo de uma mulher responda ao bebê como uma ameaça à saúde, pode realmente fornecer proteção extra ao COVID-19. O COVID-19 parece ser mais grave em pessoas com um sistema imunológico trabalhando duro para lidar com outros distúrbios de saúde. Com o COVID-19, mais homens do que mulheres são afetados e é menos provável que as mulheres fiquem gravemente doentes e morram. Até o momento, a taxa de mortalidade é de 1,7% para as mulheres e 2,8% para os homens. No entanto, à medida que a pandemia se espalha, isso pode mudar. As mulheres compõem a maioria da força de trabalho em saúde e os cuidadores estarão em contato com mais pessoas doentes.

Como as mulheres grávidas podem se proteger?

  • As mulheres grávidas devem fazer as mesmas coisas que o público em geral para se proteger, incluindo:
  • cobrir a boca ao tossir (tossindo na dobra do cotovelo)
  • evitando pessoas doentes
  • pedindo às pessoas que não estão bem para evitar visitar
  • lavar as mãos frequentemente com água e sabão ou um desinfetante à base de álcool e
  • evitando grandes reuniões.
  • Seria sensato não viajar para o exterior no momento; você pode ter que se auto-isolar quando retornar.

As mulheres que acham que podem ter contratado o COVID-19 ou estão em quarentena  podem consultar com alguns especialistas de saúde  através de uma chamada de telessaúde (chamada de vídeo) em vez de ter que ir pessoalmente.

Através da plataforma Tumaas é possível agendar consultas online com psicólogas perinatais, consultoras em amamentação, doulas e enfermeiras. O CRM ainda não aprovou consultas online para médicos. Tá aí mais um motivo do CRM autorizar médicos a praticarem a telemedicina em casos específicos.  As mulheres que estão grávidas ou têm bebês têm prioridade nos serviços de telessaúde.

Se você foi solicitado a se auto-isolar devido ao contato com alguém com COVID-19 ou tiver a doença, entre em contato com seu médico e siga as recomendações.

Como fazer ao ir no hospital para consultas pré-natais e nascimento?

O conteúdo continua após o anúncio

Continue indo às consultas. Se você for internado em um centro de parto ou hospital, existem muitas precauções para minimizar o risco de infecção. O parto ocorrerá conforme planejado na grande maioria dos casos, e ir para casa mais cedo seria o ideal e poderá ser incentivado se você e seu bebê estiverem bem.

Esteja ciente de que alguns hospitais estão restringindo os visitantes e até apoiando outras pessoas, que não o parceiro, deixem de comparecer ao hospital para tentar reduzir o risco para a comunidade.

O bebê pode estar infectado com COVID-19 no útero?

A placenta é um sistema de filtragem muito eficiente e faz um trabalho incrível, protegendo os bebês dos danos. O vírus Zika foi uma exceção a isso. Não há evidências de aumento de complicações, embora se uma mulher estivesse muito mal (com alta temperatura ou pneumonia, por exemplo), o bebê poderia nascer prematuramente. Isso pode ser devido à intervenção deliberada dos profissionais de saúde se a mulher estiver muito doente. No entanto, em geral, o diagnóstico de COVID-19 não deve levar à decisão de um nascimento precoce, a menos que o término da gravidez seja benéfico para a mãe devido a sua condição geral. Não há evidências suficientes de que o COVID-19 aumente o aborto e seja muito cedo para conhecer outros impactos a longo prazo no bebê.

O que devo fazer após o nascimento?

Os benefícios da amamentação são tão significativos que a OMS recomenda que isso comece dentro de uma hora após o nascimento. O contato pele a pele deve ser apoiado imediatamente após o nascimento, se o bebê estiver bem. 

Se a mãe estiver muito doente, ela deve ser auxiliada a extrair seu leite. A amamentação é particularmente eficaz contra doenças infecciosas porque transfere anticorpos e outros fatores imunes importantes para o bebê. Se a mulher ou o bebê tiver uma infecção, a composição do leite materno muda até para aumentar componentes importantes que ajudam o bebê a combater a infecção. Então, se você estava pensando em desistir da amamentação, talvez continue até que essa pandemia termine.

A OMS recomenda que as mulheres que têm COVID-19 devem lavar as mãos antes e depois do contato com o bebê, usar uma máscara médica perto do bebê se tiverem sintomas (como tosse) e limpar e desinfetar rotineiramente as superfícies em que possam ter tocado.

O que mais você pode fazer?

Quando a vacina contra a gripe sazonal estiver disponível, seja vacinado. Sabemos que isso pode ser protetor durante a gravidez. É gratuito para mulheres grávidas e não há riscos para o seu bebê devido à vacina contra a gripe. Você não estará protegido contra COVID-19, mas obterá alguma proteção contra a gripe (o que pode ser muito problemático para mulheres grávidas). A última coisa que você quer é ter a gripe e o COVID-19 ao mesmo tempo.

As vacinas gratuitas contra a gripe estarão disponíveis no Brasil em meados de abril.

Acima de tudo, tente manter a calma e converse com seu médico se estiver ficando muito preocupada.

Precisa de uma rede de apoio para ter uma gestação, parto e amamentação tranquilos  durante essa pandemia de Covid-19?

Agenda sua consulta online pelo site www.tumaas.com.br e esteja segura nesse momento.

 

Fonte: Emily Costello

https://theconversation.com/coronavirus-while-pregnant-or-giving-birth-heres-what-you-need-to-know-133619?fbclid=IwAR3U6McrhxHRfO5SpIfg7el1rfSFnEHk0f5PmlhqGdw3rYDwKsINeAkfksA

 

Jeanne Carvalho

Jeanne Carvalho

Sou formada em Fisioterapia com especialização em acupuntura. Empreendedora, apaixonada por tecnologia e inovação, fundadora da Startup Tumaas - Plataforma que ajuda gestantes e mães a se conectarem com profissionais e instituições de saúde materno-infantil

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia