Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / polícia / eleições 2020 / bolsonaro

O jiló em suas melhores versões

A coluna de hoje dá dicas para comer jiló em receitas deliciosas dos botecos de JF

Por Airton Soares

12/03/2020 às 08h45 - Atualizada 12/03/2020 às 08h45

O jiló é um fruto que sempre aparece nas estufas e cardápios dos botecos, escolha uma das opções abaixo e experimente sem medo! E pode ir parando de torcer o nariz, viu?! Você vai adorar esse sabor, nem sempre amargo, mas companhia ideal para uma boa cerveja.

Bar do Abílio

O Bar do Abílio já conquistou um título do concurso Comida di Buteco com seu prato mais pedido: o fígado com jiló. Seu Abílio conta que inicialmente a porção era só de fígado com cebola, mas uma cliente sugeriu que o jiló entrasse na receita e, a partir dessa sugestão, ele foi inserido. Foram vários testes até achar a melhor forma de preparo, acertando o tempo de cocção que não o deixasse cru ou mole demais e que o sabor amargo, característico do fruto, fosse amenizado e harmonizasse com o já apreciado fígado de boi. E o Sr. Abílio acertou em cheio no paladar dos seus clientes, que não abrem mão deste prato que teve sua receita eternizada até em livro, e que já faz parte de nosso paladar afetivo juiz-forano. Palmas pro Abílio!

Rua Fonseca Hermes, 180 – Centro. Tel.: 3215-6216

Bar do Antônio

O Sr. Antônio queria uma receita de jiló empanado diferente, fugindo dos já tradicionais fubá ou farinha de rosca, popularmente utilizados para garantir aquela casquinha crocante no petisco. E ele foi além, não só por utilizar queijo parmesão na receita, mas porque foi buscar na região da Canastra, onde os queijos mineiros são consagrados, o melhor produto para garantir um sabor e qualidade extras para o seu prato. O resultado? Um jiló fininho com uma generosa camada de queijo parmesão crocante em sua volta, que faz com que a gente pense: como alguém pode não gostar de jiló? E ele tem outro mérito: casa perfeitamente com uma boa cerveja, tornando a permanência no bar mais longa e prazerosa. Curtiu? Vai lá e depois me conta!

Rua José Lourenço, 1262 – São Pedro. Tel.: 98806-3967

Bar du Léo

Um dos principais atrativos do Bar du Léo são seus pastéis. Massa tradicional, são preparados na hora do pedido, bem recheados e com várias opções para todo tipo de gosto. E com tamanha variedade, ele não poderia faltar: o pastel de jiló é bom demais e leva, em seu recheio, a companhia da linguiça e do bacon em pequenos pedaços. O resultado é um petisco para ser degustado naquela deliciosa praça, com uma boa cervejinha gelada, aproveitando o sabor do pastel e todo o ambiente que é bônus pela escolha do Bar du Léo como destino. Aprovado!

Rua Uruguaiana, 72 – Jardim Glória. Tel.: 3215-9112

O conteúdo continua após o anúncio

Bar do Luiz

O Bar do Luiz nos presenteia com sua receita do jiló, servida por lá numa versão recheada. Ele chega à mesa inteiro, com linguiça calabresa no interior do jiló cozido. A porçãozinha tem, em média, seis frutos e sobre eles repousam crocs de bacon, queijo mozarela e parmesão. Com um time desses, não tinha como dar errado. A porção é bonita até no visual. É de comer com os olhos que se fala, né? Mas não deixe de experimentar com os dentes, afinal, ela conquistou tantos fãs não foi à toa.

Avenida Eugênio Nascimento, 240 – Aeroporto. Tel.: 3213-6655

Bar do Passarinho

O Geraldo, dono do Bar do Passarinho, retomou as atividades do bar e, além da costela ao bafo, prato tradicional da casa, trouxe para o cardápio um inusitado pirão de jiló. O preparo da receita é segredo guardado a sete chaves, mas tendo o jiló como protagonista, além de tempero especial da casa. O resultado é parecido com um creme, mas com maior consistência e amargor suave, que pode ser degustado sozinho ou acompanhado dos pratos da casa. Vale a pena conhecer!

Rua Rafael Zacarias, 500 – Democrata. Tel.: 98402-1410

 

 

Bar Dias

Em 2016 o Bar Dias foi premiado no Comida di Buteco com um uma receita deliciosa, em que a guarnição ganhou destaque especial. O “Mineirim Come Quieto” é uma receita de carne de panela com batatas, mas a farofa de jiló que acompanha o prato fez muita gente se derreter pelo petisco. A farofinha é úmida, feita com farinha de milho, generosa nos ovos e na cebola e com um jiló refogado em pequenos pedaços que não amarga nadinha, mas deixa o sabor inigualável. É tão bom que tem gente que até se esquece da carne de panela e já vai atacando a farofinha na colherada mesmo. Uma beleza, que você vai adorar!

Rua Luiz Rocha, 2 – Santa Terezinha. Tel.: 3224-9914

Butecos de JF

Butecos de JF

Airton Soares é gestor público por formação acadêmica mas, por opção e gosto, é conhecido como apreciador da cozinha de raiz, com experiência comprovada e acumulada na cintura. Já foi jurado do Comida di Buteco, é colunista do Tribuna de Minas, tem programas nas rádios CBN e Mix FM e é dono da fanpage @butecosdejf, onde conta com mais de 90 mil seguidores que acompanham as dicas e comentários sobre comidas, bebidas e bares desse rotundo entusiasta da culinária simples e saborosa, segundo ele, a mais gostosa de todas!

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia