Tópicos em alta: polícia / campeonato mineiro / bolsonaro

Criança e rotina – relação necessária

A rotina convida à uma forma organizada de viver, à autonomia intelectiva (pensar bem) e moral (fazer bem)

Por Cristina Coronha

25/06/2018 às 08h35 - Atualizada 25/06/2018 às 08h35

Esses dias me perguntaram que cuidados precisamos ter na montagem da rotina do filho. Será necessário desde quando são pequenos? Parece que essa atenção tem estado ligada ao horário de ir à escola, ao inglês e futebol, e o restante costuma ser preenchido com estudo antes da prova e muito celular ou jogos no computador…

Rotina representa ordem, referência e guia devido à internalização de comportamentos necessários e formativos; traduz respeito e compromisso consigo mesmo, ajuda a antecipar os fatos e diminuir a ansiedade devido à regularidade, à melhoria na administração do tempo e estabelecimento de mecanismos internos de estabilização.

Piaget ensinou que a aprendizagem exige movimentos de assimilação e acomodação: repetição (mãe da habilidade) para que o processo do entendimento trabalhe e formação de novos esquemas e aprendizagens, respectivamente.

A rotina convida à uma forma organizada de viver, à autonomia intelectiva (pensar bem) e moral (fazer bem). Ela precisa ser construída de forma colaborativa, ou seja, filhos e pais devem, juntos, construir as atividades segundo necessidades e desejos de ambos. Quando ela é imposta, atua em sentido contrário, gerando rebeldia.

Na rotina de uma criança é importante conter: práticas de autocuidado, deveres\obrigações (de casa, estudo, colaboração na família), lazer, tempo livre para estar consigo mesma (e escolher sua brincadeira) e tempo para vivenciar e fortalecer vínculos com a família.

Programar, nesta rotina, brincadeiras em família, é permitir o estabelecimento de uma saudável relação consigo e com o outro, uma aprendizagem ético-social, a utilização da atenção plena, além de possibilidades corporais, afetivas e morais em verdadeiro exercício. Brincadeiras do lado de fora, no sol, com o vento ou a chuva, com a natureza e animais, de bicicleta, patins ou de soltar pipa… Em lugares onde não existam paredes físicas nem telas de computador que sejam capazes de distrair o propósito de olhar e estar verdadeiramente um com ao outro.

O conteúdo continua após o anúncio

Dicas importantes:

  • PRIMEIRO O MAIS IMPORTANTE

Relacionar, em família, os aspectos que são importantes na vida do filho e que precisam ser cultivados diariamente. Lembrar de equilibrar atividades que dão prazer com as obrigações.

  • PAINEL DA ROTINA

Montar essa rotina (com a ajuda dos familiares) em uma cartolina (ou similar),de forma criativa, colorida e atraente, utilizando desenhos, símbolos, palavras e colocando-a, depois, em um lugar visível para não cair no esquecimento.

  • PERCEPÇÃO DO TEMPO

Colocar um relógio à vista do filho para ajudar na lembrança de alguns compromissos, relacionando e preparando-o para a compreensão do tempo da vida, existente nas horas.

  • AUTO AVALIAÇÃO

Periodicamente levar o filho a analisar as conquistas e dificuldades em relação à rotina para fazer ajuste se colaborar no desenvolvimento da habilidade de auto monitoramento e metacognição.

  • AGENDA DOS PAIS

Agendar um horário diário com os filhos para brincar ou conversar, exercitando olho no olho e corpo com corpo, é entender que desenvolvimento sadio e feliz se faz , principalmente, com manifestações rotineiras de atenção e afeto. Dever de casa para os pais.

Cristina Coronha

Cristina Coronha

Neuropsicopedagoga, Psicopedagogia (UFRJ), Especialista em Educação Infantil e Gestão Social (UFJF), graduada em Pedagoga (UFF). Professora dos cursos de pós-graduação em Psicopedagogia e Gestão Escolar. Psicopedagoga Clínica, Orientadora Vocacional e Educacional, Palestrante, Consultora Educacional para o Desenvolvimento de Valores e Talentos. Escritora de artigos em jornais e livros, Membro da Associação Brasileira de Psicopedagogia-ABPp,e e da Sociedade Brasileira de Neuropsicopedagogia. Criadora do projeto Articulação em escolas de Minas Gerais. Docente da Fundação Logosófica do Brasil. Professora convidada do Polo Interdisciplinar de Gerações da UFJF. Mediadora do PEI – Programa de Enriquecimento Instrumental pelo The International Center for the Enhancement of Learning Potential Israel.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia