Carnaval e Alimentação Saudável

Por Alice Amaral

07/02/2018 às 16h38 - Atualizada 07/02/2018 às 16h38

O carnaval é uma festa popular prolongada, quase que uma “maratona”, um verdadeiro teste de resistência física.

Inicialmente vamos considerar que a vida vai continuar depois da folia, literalmente “se acabar” na festa não é uma boa opção. Além de desgastar muito o organismo, a falta de cuidados pode acarretar prejuízos no médio e longo prazo.

O sono é essencial para o organismo, programe-se para descansar o tempo necessário.

Vai se “jogar” na festa, separe roupas confortáveis e leves, de preferência claras, calçados que não machuquem os pés e não precisa entupir o corpo de corantes e produtos industrializados, pois atrapalham a transpiração e podem até causar alergias.

A alimentação vai auxiliar de forma decisiva para que você aproveite o melhor da festa e se mantenha em boas condições. 

Algumas dicas são essenciais:

Ingerir bastante água, melhor se for água de coco natural, e não espere sentir sede,

Se for possível, prepare seu próprio lanche para consumir nas ruas ou locais abertos,

Inclua frutas com vitamina C e potássio, que são essenciais o trabalho muscular, banana, laranja, pêssego,

Vegetais verde-escuros como o brócolis, agrião, ajudam na detoxicação do organismo,

Sucos com gengibre ajudam a combater náuseas e inflamações no sistema digestório,

O conteúdo continua após o anúncio

Pode pular bastante, o que não vale é pular as refeições. 

E devemos evitar:

Adotar “dietas de carnaval” sem orientação, abusar de alimentos industrializados com excesso de sódio, que podem aumentar a retenção de líquidos e até elevar a pressão arterial,

Abandonar “só por uma semana” os bons hábitos de alimentação em função da folia, não compensa e pode ser muito prejudicial,

Frituras, alimentos preparados com molhos, produtos mal embalados e conservados fora de ambiente refrigerado,

Alimentos “in natura” em que não seja possível verificar as condições ideais de higiene,

Na praia, cuidado redobrado com os alimentos que degradam rapidamente e que podem oferecer riscos à nossa saúde.

 

E consumir álcool com moderação ou mesmo evitar o consumo, tomar cuidado com drinks exóticos de alto teor alcoólico, verificar a higiene e apresentação das bebidas embaladas em latas de alumínio. Isotônicos não são produtos naturais e pessoas com insuficiência renal precisam evitar o consumo.

Misturar bebidas alcóolicas com energéticos também não é recomendável. São bebidas à base de cafeína e outros componentes estimulantes, como a taurina. O consumo de energéticos proporciona um organismo mais “acelerado”, altera a frequência cardíaca e, portanto, é preciso cuidado. Pessoas com histórico de doença cardíaca e glaucoma, crianças, adolescentes e idosos devem evitar o consumo.

E, ainda, a mistura de bebida alcoólica e energético pode servir como fator estimulante para as pessoas consumirem mais bebida alcoólica no dia-a-dia, em função da falsa crença de que a cafeína presente na bebida energética “neutralizaria” o efeito depressor do álcool. A cafeína pode atuar na redução da sonolência, mas não é um “antídoto” para os efeitos do consumo de álcool.

Respeite os limites do seu organismo, mantenha sempre o equilíbrio e aproveite o melhor da festa. Assim a alegria é garantida por muitos carnavais.

Alice Amaral

Alice Amaral

- Título de Especialista em Nutrologia – RQE 9884 – Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Nutrologia . - Título de Especialista em Medicina do Esporte – RQE 9895 – Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte . - Pós Graduação em Medicina Física e Reabilitação – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – R.J. - Formação Médica em 1983



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia