Escolha consciente ou modinha? Dieta Vegetariana exige cuidados

Por Alice Amaral

05/01/2018 às 09h20 - Atualizada 08/01/2018 às 09h11

A Dieta Vegetariana ganha mais destaque na virada do ano, quando muitas pessoas aproveitam a ocasião para estabelecer metas para o próximo ano, entre elas, abandonar o consumo de carne e de outros produtos de origem animal.

 

A divulgação de vídeos sobre a criação e abate de animais, segundo alguns estudiosos de mídia eletrônica, também tem influenciado na decisão das pessoas de suprimir o consumo de carne. Devemos pensar que, algumas pessoas abandonam apenas o consumo da carne, enquanto outras optam por deixar de consumir também leite e ovos. São situações distintas e que demandam ações direcionadas.

 

É preciso analisar muito bem sobre como será implementada a escolha de um novo padrão alimentar. As carnes e outros produtos de origem animal são fontes importantes de nutrientes, relevantes para saúde.

 

Inicialmente, deve-se buscar um diagnóstico sobre a situação atual do nosso organismo e também pensar em nossas atividades e demandas de alimentos. Lembremos que vamos precisar de um acompanhamento médico especializado, pois não se trata de um modismo, e sim de uma mudança profunda na dieta alimentar. E, uma mudança dessa magnitude não pode ser feita por mero impulso ou voluntarismo. É uma questão de saúde da mais alta relevância.

 

A partir do conhecimento do perfil da pessoa e de suas necessidades, a adoção da nova dieta passa a ser monitorada, a fim de se obter controle sobre o andamento, a adaptação da pessoa e os primeiros resultados obtidos.

O conteúdo continua após o anúncio

 

Várias doenças podem ser prevenidas com a prática do vegetarianismo, como diversos tipos de alergias, cânceres (intestino e estômago), refluxo, obesidade, diabetes e também problemas cardiovasculares.

 

O consumo de vegetais será maior, mas simplesmente ingerir sem levar em conta as necessidades do corpo, não vai ajudar muito. A proteína pode ser obtida por meio da lentilha, grão de bico, ervilhas e sementes de chia.  O tofu é uma boa fonte de proteínas, e quanto à questão da soja, para o preparo do tofu a soja é fermentada. É mais benéfica do que a soja processada e industrializada. O feijão, tão apreciado por nós, é outra fonte de proteínas. E quantas receitas podem ser preparadas com feijão?

 

O Ômega 3 pode ser obtido através do consumo de sementes. Isso para o caso de quem vai abrir mão da ingestão também de peixes. Vegetais de cor verde escura, couve e espinafre, são fontes de ferro.  É preciso buscar uma variedade de fontes para compensar a eliminação dos produtos de origem animal. E, para melhorar a absorção do ferro, uma boa fonte de vitamina C pode ser incluída.

 

O cálcio é encontrado no brócolis, couve, quiabo, figo, damasco e sementes. E as sementes e castanhas também são fáceis de serem guardadas e transportadas. Facilita o consumo. A criatividade vai ajudar bastante na montagem de pratos convidativos e nutritivos. Nosso organismo também vai precisar de um tempo para adaptação.

 

Os vegetais, em quase sua totalidade, são produzidos com a utilização de agrotóxicos. Portanto, a higienização e outros procedimentos para livrá-los de agentes químicos são cruciais para manter a boa saúde. Dentro das possibilidades, o consumo de alimentos orgânicos vai auxiliar ainda mais na obtenção dos melhores resultados.

Alice Amaral

Alice Amaral

- Título de Especialista em Nutrologia – RQE 17.528 – Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Nutrologia . - Título de Especialista em Medicina do Esporte – RQE 17.925 – Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte . - Pós Graduação em Medicina Física e Reabilitação – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – R.J. - Formação Médica em 1983



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia