Tópicos em alta: delivery jf / eleições 2020 / coronavírus / greve / polícia

Da porta para dentro | Crianças em casa

Por Aletheia Westermann

02/08/2020 às 06h58 - Atualizada 31/07/2020 às 19h34

O insólito confinamento da população tem sido a realidade de muitas cidades, e se está difícil para os adultos se acostumarem a essa nova rotina, para as crianças, então, o baque foi ainda maior. De um dia para o outro, elas foram privadas da escola, da convivência com os amigos, dos passeios pela cidade, dos parques, das praças. Tudo agora ficou da porta para dentro.

Todos nós sabemos que brincar ao ar livre traz diversos benefícios, tais como melhorias para a coordenação motora, contribui para o desenvolvimento cognitivo, emocional e social e ainda pode reduzir a tristeza, a raiva e prevenir o estresse tóxico. Mas como manter a sanidade mental dos filhos, já que eles não podem ter essa interação?

A casa mais do que nunca reforça seu status de abrigo e, por isso, deve ser considerada como proteção e aconchego, e não como prisão. Para tanto, foi preciso passar por algumas adaptações. Assim como ela teve que se adequar ao home office, também foi necessário inserir nesse contexto o playground.

Mas quando o assunto é crianças, pensar em segurança é fundamental, já que elas não têm noção de perigo. Móveis com ângulos pontiagudos devem ganhar protetores de quinas. Substitua, pelo menos por enquanto, objetos cortantes, pequenos ou bibelôs por outros mais resistentes. Cozinha, escadas, janelas e piscinas são itens que merecem atenção especial e redobrada; não descuide das indispensáveis telas de seguranças. Além disso, deixar os espaços mais livres e pensar na praticidade dos cômodos são outras questões para considerar.

Cuidou da segurança? Agora vem a parte divertida. As soluções podem ser adotadas de acordo com o espaço disponível. O importante é estabelecer um lugar próprio para essas atividades, facilitando o dia a dia e que eles tenham um lugar exclusivo onde possam se sentir mais à vontade para brincar e um facilitador aos pais, para controlar bagunça.

É bacana que a decoração seja mais lúdica, com cores fortes e com elementos que agucem a imaginação. Pisos vinílicos são uma alternativa muito legal, pois, além de serem laváveis e antiderrapantes, estão disponíveis em inúmeras cores. Tintas laváveis e tapetes sintéticos são outras opções para facilitar a limpeza. Cadeiras e mesinhas adaptadas para o tamanho dos pequenos, nichos e prateleiras ajudam nessa função e colaboram no décor.

O conteúdo continua após o anúncio

Assim como o canto da bagunça, também é importante um ambiente calmo e tranquilo para as atividades on-line da escola. Ou mesmo para quem não está tendo essas aulas, é sempre importante estimular as crianças com leitura e desenhos.

Curtiu as nossas dicas? Então dá um pulinho no nosso site e no nosso blog.

Aletheia Westermann

Aletheia Westermann

Arquiteta e urbanista formou na UFJF EM 2001. Desde então é Arquiteta diretora do escritório Alethéia Westermann Arquitetos. Entre vários trabalhos importantes trabalhou na restauração do Cine Theatro Central em JF, tem projetos desenvolvidos tanto em São Paulo e Rio de Janeiro como no exterior: Em Londres, UK e nos Estados Unidos, nos estados da Florida e Connecticut . É colunista da rádio CBN/JF no programa Morar Bem Arquitetura e Interiores, além de escrever semanalmente para o Jornal Tribuna de Minas no caderno Casa e Cia.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia