‘Gosto se discute’: Comédia gourmet ou humor de fast-food?

Estrelado por Cássio Gabus Mendes e Kéfera Buchmann, filme que estreia hoje mostra dono de restaurante em crise financeira e sem paladar

Por Júlio Black

09/11/2017 às 06h30

Augusto (Cássio Gabus Mendes, à esquerda) tem que lutar contra as dívidas e a perda de paladar para manter restaurante aberto (Foto: Divulgação)

“Gosto se discute”, longa do diretor André Pellenz, que estreia nesta quinta-feira (9), mostra que o cinema nacional continua sua corrida para investir nos modismos da vez – neste caso, a reboque dos programas e reality shows de culinária no estilo “Masterchef” e também produções estrangeiras como “Chef” e “Pegando fogo”. É uma boa aposta, enfim, se lembrarmos que os programas do gênero, antes restritos às manhãs e tardes nas emissoras abertas (quem tiver mais de 40 e se lembrar da “Cozinha maravilhosa de Ofélia” pode levantar a mão) e que agora têm espaço garantido no horário nobre dos canais fechados e abertos.

E a história não deixa de ser, a princípio, uma tentativa de fugir aos já esgotados formatos de comédia que assolam a produção nacional há muito tempo. O personagem principal é Augusto (Cássio Gabus Mendes), chef e dono de um restaurante em São Paulo que já teve seus dias de glória, mas agora vê sua clientela diminuir e ainda sofre com as dívidas e a concorrência de um food truck estacionado em frente ao estabelecimento, iniciativa de um ex-funcionário hipster e cheio dos estrangeirismos.

A esperança, ou pesadelo, surge na figura de Cristina (Kéfera Buchmann), funcionária CDF do banco de investimentos para o qual Augusto deve uma grana federal. A missão da moça é simples: ajudar o dono do restaurante a colocar seu negócio mais uma vez no azul, modernizando o cardápio e tentando atrair a clientela que gosta de novidades e modismos.

O conteúdo continua após o anúncio

Mas a tarefa não será fácil. Augusto e seus funcionários não estão muito a fim de mudar o estilo do restaurante, por mais que ele esteja ultrapassado, o que provoca aquele estranhamento inicial. Como problema pouco é bobagem, a pressão para criar um novo cardápio faz com que Augusto sofra de um dos maiores pesadelos que um chef poderia ter: ele adquire uma doença misteriosa que o faz perder o paladar, o que torna impossível saber se os pratos estão no sabor ideal.

Ah, e aos poucos, já que se trata de uma comédia leve – ainda que tentando sair da mesmice -, vai surgir aquele clima romântico entre Augusto e Cristina. Resta saber se o público vai encarar o filme como fina iguaria ou mais um daqueles fast-foods que servem apenas para encher o bucho até a próxima besteira gastronômica.

Gosto se discute
UCI 1: 13h, 14h55, 16h50, 18h45, 20h40, 22h35 (exceto qua). UCI 2: 14h, 21h (qua). Cinemais Alameda 3: 15h10, 19h30, 21h30. Cinemais Jardim Norte 5: 14h50, 17h, 19h30, 21h30.
Classificação: 12 anos

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia