Chef juiz-forano Pablo Oazen vence MasterChef Profissionais

Menu apresentado pelo cozinheiro de Juiz de Fora (à esquerda) agradou mais ao paladar dos jurados Paola Carosella, Henrique Fogaça e Erick Jacquin do que o preparado por seu concorrente, o chef Francisco Pinheiro (à direita)

Por Tribuna

06/12/2017 às 01h17 - Atualizada 07/12/2017 às 07h55

Anúncio do vencedor desta edição do MasterChef foi feito por meio de uma postagem de seguidora do programa no Twitter. (Foto: Divulgação/Band)

O chef juiz-forano Pablo Oazen é o melhor cozinheiro profissional do Brasil. Em uma disputada final com o chef Francisco Pinheiro, Pablo levou o prêmio principal do MasterChef Brasil Profissionais, reality show gastronômico exibido pela Band. Em entrevista à emissora, logo após o anúncio do resultado, na madrugada desta quarta-feira (6), Pablo comemorou o título, mas manteve a serenidade. “Quero curtir muito, mas tenho dois negócios, então, o momento é também de ter calma”, disse, sobre o futuro.

Durante o MasterChef, Pablo ressaltou a importância da participação no programa para um novo rumo em sua carreira. “O meu restaurante não chegaria até o fim do ano. Foi por isso que me inscrevi no MasterChef”, confessou. “E só a participação deu uma alavancada nos negócios”.

Com a vitória, Pablo conquistou o troféu MasterChef, R$ 200 mil na conta, uma viagem com acompanhante a Dubai, nos Emirados Árabes, além de R$ 1 mil por mês, durante um ano, para compras com o cartão Carrefour.

A prova

Pablo durante preparação de suas entradas. (Foto: Carlos Reinis/Divulgação Band)

Os seis pratos apresentados pelo cozinheiro, dono do Garagem Gastrobar e do Bull & Beer, agradaram mais ao paladar dos jurados Paola Carosella, Henrique Fogaça e Erick Jacquin. Os finalistas precisaram preparar dois menus completos e tiveram uma hora para entregar as entradas, uma hora e meia para os pratos principais e mais uma hora para as sobremesas. O menu servido por Pablo foi batizado de “Do lixo ao luxo”, referência à trajetória do juiz-forano no programa – começou recebendo muitas críticas, deu a volta por cima e chegou à final – e também ao fato de se propor a usar ingredientes simples e baratos na alta gastronomia.

O conteúdo continua após o anúncio

O chef juiz-forano apresentou como entrada um nhoque de patê de fígado de frango e batata-doce com consomé de ameixa. O prato recebeu críticas pela consistência pastosa do nhoque, mas agradou ao paladar dos jurados. A outra entrada apresentada por Pablo foi mexilhão sobre creme de agrião com bacon e capuchinha.

Na prova do prato principal, o chef juiz-forano serviu primeiramente uma truta recheada de castanhas com carpaccio de pupunha, pancs e ovas de salmão. Em seguida, apresentou blanquette de língua com cenourinha glaceada e pistache. Ambas as receitas foram elogiadas pelos jurados.

Na última etapa, Pablo abusou da criatividade e apresentou um ousado sorvete de goiaba recheado de goiabada e gergelim com creme de amêndoa, queijo canastra e requejião. A segunda sobremesa também foi gelada: sorvete de pão na chapa com espuma de doce de leite e telha de café. O prato arrancou muitos elogios dos jurados e deixou sem palavras e emocionado o sisudo Henrique Fogaça. “Isso aqui faz a gente muito feliz”, avaliou Paola Carosella.

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia