48 pessoas já morreram na BR-040 este ano

Setenta e nove por cento das mortes ocorreram em pontos não duplicados da rodovia

Por Eduardo Valente

09/08/2017 às 06h00 - Atualizada 09/08/2017 às 21h31

Trecho da BR-040, próximo à ArcelorMittal, entre Juiz de Fora e Ewbanck, é um dos que precisa de duplicação (Foto: Fernando Priamo/Arquivo)

Somente em 2017, 48 pessoas morreram na rodovia BR-040 entre a divisa dos estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais e o município de Congonhas, o que compreende uma malha de aproximadamente 220 quilômetros. O levantamento, disponibilizado pela delegacia local da Polícia Rodoviária Federal (PRF), responsável por este trecho, revela que quase a totalidade dos acidentes que resultaram em óbitos está concentrada no segmento de pista simples da estrada, observado a partir de Juiz de Fora, quando termina a jurisdição da Concer. Conforme o levantamento, 42 das 48 mortes ocorreram na área concessionada da Via-040, sendo 38 em pontos não duplicados da estrada.

Nos últimos dois anos, o número total de acidentes registrados pela delegacia local da PRF se manteve praticamente estável, sendo 655 entre 1º de janeiro e 1º de agosto de 2017 contra 660 em igual período de 2016. Mesmo assim, os dados apontam para mais violência no tráfego da rodovia. Isso porque o número de pessoas feridas nestas ocorrências saltou de 681 para 738, e o de óbitos subiu de 36 para 48, embora a quantidade de acidentes que levaram às mortes tenha se mantido praticamente a mesma também, subindo de 29 para 31. Já a concentração de pessoas que saíram ilesas dos acidentes apresentou uma redução considerável, declinando de 1.090 para 627.

Apesar dos dados alarmantes, a PRF considera que o quadro era pior quando a BR-040, a partir de Juiz de Fora, não passava por manutenção regular, situação alterada após a concessão firmada entre a ANTT e a Via-040. Para se ter ideia, entre janeiro e 1º de agosto de 2015, quando os trabalhos da empresa ainda estavam sendo iniciados, foram 63 óbitos no trecho, em um total de 809 acidentes. A redução, de acordo com o chefe do Núcleo de Policiamento e Fiscalização da PRF em Juiz de Fora, Leonardo Facio, está associada a melhorias no segmento, como recuperação do asfalto e das sinalizações.

Em nota, a Via-040 informou que todo o trecho de concessão (entre Juiz de Fora a Brasília) apresentou redução de 32% do número de acidentes com vítimas fatais desde o início da gestão da empresa. Também reforçou que mantém trabalhos de manutenção, inspeção e socorro médico e mecânico.

Duplicação pode ser uma saída

Na avaliação de Facio, o fato de os acidentes estarem concentrados nos segmentos de pista simples mostra que a duplicação se faz necessária o quanto antes. “São muitas colisões frontais que causam as mortes. Recentemente mesmo tivemos acidentes com vários mortos, todos em trecho com pista simples. A rodovia BR-040 passou da hora de ser duplicada, é uma emergência. Pois por mais que a gente fiscalize e instale radares nos locais de maior incidência, se vier a ocorrer um acidente em pista simples e ocasionar mortes, o número de vítimas será grande, mesmo se os condutores tiverem com cinto de segurança e os carros equipados com airbags. Em pista dupla, o índice de gravidade diminui consideravelmente”, disse o inspetor.

Ele condicionou os acidentes, ainda, a outros questões. Entre elas, a imprudência e a alta velocidade empregada pelos motoristas e fatores climáticos, pois o segmento ainda apresenta pontos de invisibilidade por conta da neblina. “Sem contar que ainda tem muitos condutores que correm demais e dirigem utilizando celulares. E estamos falando de uma área perigosa, com curvas acentuadas, tráfego de pedestres e animais na pista.”

O conteúdo continua após o anúncio

Via-040 questiona atrasos em licenças

A concessionária Via-040 ganhou a permissão para explorar os 937 quilômetros da rodovia, entre Juiz de Fora e Brasília, durante 3ª Etapa do Programa Federal de Concessão de Rodovias. Dos trabalhos de manutenção preventiva iniciados em 2014, para o início da cobrança dos 11 pátios de pedágios em 2015 até o momento atual, pouca obra estrutural foi observada no trecho mineiro da estrada, sobretudo nas regiões da Zona da Mata e Campos das Vertentes, exatamente onde ocorreram os acidentes. A principal demanda da população deste entorno está na duplicação da rodovia, fato que, segundo a concessionária, ainda não há data para acontecer.

Em nota, a Via-040 informou que a obtenção da licença ambiental para obras de duplicação e melhorias, uma obrigação contratual por parte do Governo, só foi liberada em 13 de abril deste ano, com mais de dois anos de atraso. Ressaltou, porém, que a licença emitida ainda não permite obras de duplicação em seis trechos da rodovia, em razão da necessidade de “estudos e autorizações de outros órgãos ambientais para posterior liberação pelo Ibama”.

A concessionária citou, ainda, que as condições dadas para a assinatura do contrato não foram as mesmas identificadas na prática para operação da estrada e movimentação das obras. Como exemplo, citou que a empresa teria condições especiais de financiamento por parte do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o que não ocorreu. “Soma-se a isso outras medidas adotadas pelo Governo que também impactaram o setor de infraestrutura de transportes. Em 2015, foi sancionada a Lei dos Caminhoneiros, que alterou a tolerância máxima sobre os limites de peso de caminhões, gerando um aumento não previsto nos custos de implantação e de manutenção das rodovias. Além disso, o preço do cimento asfáltico foi aumentado em mais de 80%”, informou na nota, acrescentando a crise econômica como outro fator que “impactou na redução do fluxo de veículos pelas rodovias em níveis imprevisíveis e incompatíveis com o tamanho do programa de investimento inicialmente proposto”.

Devolução
Muito tem se falado, ainda, da possibilidade de a Via-040 devolver a concessão para o Governo. A empresa foi perguntada desta possibilidade e disse que, “uma vez que o projeto inicial da concessão foi totalmente desconfigurado pelas alterações nas condições previstas na licitação, a Via 040 protocolou em maio deste ano na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) um pedido de revisão do contrato buscando uma forma de dar continuidade ao mesmo e também está avaliando os impactos e possibilidades da lei 13.448/2017”. É esta a lei federal que prevê, além da revisão, relicitação dos trechos quando os contratos não estejam sendo atendidos ou as contratadas demonstrem incapacidade de cumprir as obrigações originalmente assumidas.

 

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia