Colômbia, país que vicia

A Colômbia é daqueles países que as pessoas sempre associam ao narcotráfico da década de 1980, mas posso afirmar com convicção que os únicos vícios que lá tive acesso foram das paisagens exuberantes, das comidas saborosas, dos cafés de aromas inconfundíveis e das belas mulheres. A cidade de Bogotá é uma típica metrópole, com seus […]

Por Guilherme Arêas

27/09/2016 às 18h43 - Atualizada 27/09/2016 às 18h43

Jorge Luiz na na Praça Simon Bolívar em Bogotá, com a Catedral e o Morro Monserrate ao fundo
Jorge Luiz na na Praça Simon Bolívar em Bogotá, com a Catedral e o Morro Monserrate ao fundo

A Colômbia é daqueles países que as pessoas sempre associam ao narcotráfico da década de 1980, mas posso afirmar com convicção que os únicos vícios que lá tive acesso foram das paisagens exuberantes, das comidas saborosas, dos cafés de aromas inconfundíveis e das belas mulheres.

A cidade de Bogotá é uma típica metrópole, com seus problemas e também com suas belezas, em especial o passeio ao Morro Monserrate, a mais de 3.000m de altitude, e a Catedral de Sal, obra incrível, cravada dentro de uma mina, a 180m abaixo do solo.

Deixando a capital, em mais uma hora de voo, saí de temperaturas de 6ºC à noite para temperaturas de 35ºC na cidade litorânea de Cartagena das Índias, que fica às margens do Mar do Caribe, que foi palco de muitas invasões europeias e também de piratas saqueadores, que trouxeram à cidade uma arquitetura imponente, comidas calientes e o seu principal: uma vida noturna de muita música e festas!

E assim, completei mais uma etapa desvendando a América do Sul, me restando conhecer ainda a Venezuela, que será meu destino em uma próxima viagem. Até lá!

 

O conteúdo continua após o anúncio

 

 

 

 

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia