Mary Milk: o gostinho de Juiz de Fora

PUBLIEDITORIAL

Conheça a história e alguns segredos da casa de sanduíches que habita a memória afetiva e gustativa da cidade há quase 30 anos

Por Por Mary Milk

11/11/2017 às 07h00

MARY-LENGO1 Foto: Divulgação Foto: Divulgação Foto: Divulgação
<
>
Mary Lengo (pão com gergelim, hambúrguer bovino 90g, enrolado de presunto e mozarela, ovo, salada e batata palha) está entre os mais pedidos da casa

Para alguns, o sabor é de juventude, de independência, do fim de noite – muitas vezes já quase de manhã. Para outros, tem gostinho de saudade, de uma cidade onde se nasceu, cresceu e/ou viveu e hoje não é mais o endereço de casa. Há aqueles para quem o paladar remete à infância, levados pelos pais, ou à adolescência, nos primeiros rolês com a galera. Entre tantas combinações afetivas possíveis, o Mary Milk, em 29 anos de funcionamento, é um dos marcos da memória gustativa dos juiz-foranos e juiz-foranas. “Já atendi gerações de famílias, casais que frequentavam quando abri, vieram com os filhos e agora têm até netos…Gente que vem desde que abri e pede o mesmo sanduíche sempre. Até brinco: ‘Dá uma mudadinha!’, mas alguns não abrem mão do que mais gostam. Sinal que está bom, né?”, diz Vitor Vellozo, idealizador do Mary Milk e responsável pela criação dos sabores do cardápio que habita as referências de hambúrguer da cidade.

A vocação para pilotar a chapa veio desde a adolescência, quando fazia um bico no trailer de lanches do primo. A empreitada, que hoje é o Mary Milk, teve sua estreia quando Vitor saiu do exército em 1988, com 19 anos, em um trailer bem parecido com o que ele grelhava seus primeiros bifes de hambúrguer. “Fui colocando uma mesinha, aumentando aqui e ali, e, conforme as possibilidades, sempre me adaptando às necessidades dos clientes e dos novos tempos”, conta o empresário, que estima ter feito mais de 40 obras no estabelecimento desde que abriu as portas.

No início, era o Mary Lengo (hoje também)

Vitor Vellozo mantém os mesmos sanduíches até hoje (Foto: Fernando Priamo)

Quando fundou a lanchonete, Vitor criou cinco lanches para o menu, todos eles não apenas permanecem até hoje, mas estão entre os mais pedidos: Mary Lengo (pão com gergelim, hambúrguer bovino 90g, enrolado de presunto com mozarela, ovo, salada e batata palha); Mary Chicken Catupiry (pão com gergelim, filé de frango, bacon, Catupiry, milho-verde,salada e batata palha); Mary Leitão (pão com gergelim, bife de lombo, mozarela, bacon, milho-verde, salada e batata palha); Mary Bacon (pão com gergelim, hambúrguer 90g, enrolado de presunto com mozarela, bacon, salada e batata palha) e Mary Cheese (pão com gergelim, hambúrguer 90g, duas porções de mozarela, salada e batata palha). “Até hoje, o mais pedido é o Mary Lengo. Acho que, primeiro, por conta do custo-benefício: tem um preço bacana e alimenta bem. E também porque é uma combinação popular, é o “x-egg”, bem característico do paladar brasileiro”, avalia o empresário.

Atualmente, o cardápio tem 23 sabores, com destaque para a tradicional linha mascote, todos criados por Vitor. “Na prática, estes sabores viram uns cem. Porque ‘do seu jeito’ não é só nosso slogan, o cliente pode acrescentar ou retirar literalmente o que quiser dos sanduíches. Desde que a gente tenha na cozinha, claro! (risos)”. Com o crescimento do público vegetariano e vegano, a casa também criou uma linha especial que tem hambúrgueres feitos com soja, lentilha, berinjela e grão de bico e pães nas opções integral e integral com mel. “Busquei fornecedores para estes produtos, mas as combinações são criações minhas, com rúcula, queijos, frutas”, diz.

Ainda para se sintonizar com os tempos, o Mary Milk deve ter duas novidades em breve: uma linha de hambúrgueres artesanais e outra de sucos naturais. “Teremos uns três ou quatro sabores artesanais, mas naquele esquema: o cliente pode acrescentar ou retirar ingredientes a sua escolha. E como tenho percebido que muitas pessoas estão deixando de tomar refrigerante ou bebendo menos, quero investir nos sucos, até porque é raro achar um lugar para tomá-los à noite.”

O sabor de sempre

Mary Milk na década de 1990, quando atendia inclusive no estacionamento (Foto: Arquivo Pessoal)

“Como é possível eu vir aqui há tantos anos e o sabor ser exatamente o mesmo?”. Segundo Vitor, essa é uma pergunta recorrente dos clientes e provavelmente um dos motivos que os fazem voltar ao Mary Milk. “As pessoas querem comer o hambúrguer igualzinho ao da adolescência, da infância delas. E aqui elas encontram isso, porque não abro mão de ser criterioso”, argumenta. Um dos segredos para o gostinho dos sandubas não mudarem quase 30 anos depois que a chapa foi inaugurada é a seleção dos ingredientes. “Meus fornecedores são parceiros desde que abri, e sempre prezei por marcas de qualidade: Catupiry original, Sadia…Além disso, todos os meus funcionários têm muitos anos de casa, então os procedimentos também são os mesmos.”

Vitor destaca que a produção atende rigorosos padrões de higiene e cuidados com o fracionamento e armazenamento. “Para começar, guardamos cada ingrediente em seu determinado espaço, para que um não interfira no sabor do outro e também porque cada um tem suas peculiaridades de armazenamento. Fazemos uma pré-produção diária em que porcionamos os ingredientes em pequenas frações de salada, queijos, bacon. Assim, os insumos estão sempre frescos. Se você vier às 19h ou à 1h da manhã, vai comer o mesmo sanduíche porque vai estar tudo fresquinho”, destaca ele, que sempre se preocupou com a qualidade nutricional do seu produto. “Antes, tinha uma placa aqui que dizia ‘meus filhos comem aqui, traga os seus também’, mas aí os meninos foram crescendo e acharam que era ‘pagação de mico’ (risos). Mas a máxima continua valendo”, conta ele, pai de dois rapazes, de 20 e 17 anos.

Um mistério cuja receita Vitor não revela, mas que é uma das estrelas do Mary Milk, é o molho rosé da casa, preparado da mesma forma desde que foi criado. “É feito sagradamente às segundas, só por mim e o Hugo, gerente-geral da loja que troca de horário só para isso. Fui testando a receita e cheguei a esta”, diz o empresário. E se você se surpreende com o delivery que chega sempre rápido e quentinho, Vitor conta que entregar em casa – mesmo quando pouca gente fazia – foi uma de suas prioridades. “Eu até pensei em abrir lojas em outros pontos da cidade, mas resolvi tentar fazer as entregas, a princípio com uma moto só, mas sempre procurando manter o padrão de até 30 minutos entre pedido e entrega. Hoje, temos 21 motos para atender a grande demanda de delivery, que corresponde a 60% do nosso total de vendas. Cada motoboy faz duas entregas por viagem, mesmo assim só se estiverem ambas na mesma rota.” Além do telefone (3232-46-99), os pedidos podem ser feitos também pelo site (marymilk.com.br), pelo iFood e pelo app do Mary Milk.

Mary Milk
De domingo a quinta, das 18h à 1h, sextas e sábados, das 18h às 6h
Rua Cel. Pacheco 124 – São Mateus
Tel.: 3232-4699
marymilk.com.br
Facebook: MaryMilkBR

Desenvolvido por Grupo Emedia