O que vi e comi no Festival de Tiradentes

10 dias de evento, com mais de 50 atrações culturais, 370 profissionais da gastronomia e mais de 180 atrações gastronômicas. O que vi e comi no Festival de Tiradentes: Gente bonita, boa música, muitas atrações culturais e mesa posta, com toda a diversidade da gastronomia mineira.

Por Claudia Figueiredo

29/08/2017 às 11h39 - Atualizada 29/08/2017 às 12h45

Gente bonita, boa música, muitas atrações culturais e mesa posta, com toda a diversidade da gastronomia mineira, estiveram em cartaz na charmosa cidade de Tiradentes, em Minas Gerais, entre os dias 18 e 27 de agosto, durante o 20º Festival Cultura e Gastronomia de Tiradentes.

Os números impressionam: foram 10 dias de evento, com mais de 50 atrações culturais, 370 profissionais da gastronomia e mais de 180 atrações gastronômicas, distribuídas entre as Praças da Rodoviária, Sesc Campo das Vertentes e Senac do Conhecimento, além de dezenas de restaurantes da cidade.

Participamos de várias atrações com o objetivo de experimentar o maior número de pratos possíveis (como se isso fosse difícil! rs). E, mesmo com número alto de turistas, os pratos eram servidos na temperatura certa, bem executados e sem muito tumulto. Isso porque a organização adotou uma logística inteligente de distribuir pontos de venda volantes, aceitando dinheiro e todos os cartões de débito e crédito do mercado, inclusive com os atendentes buscando comida e bebida para os clientes.

Na Praça Senac do Conhecimento, bem no centro da efervescência de Tiradentes, houve aulas teóricas gratuitas, ministradas por chefs e profissionais da gastronomia, onde os participantes puderam assistir as preparações dos pratos, colocar a mão na massa e degustá-los.

      

Na Praça da Rodoviária e na Praça Sesc Campo das Vertentes, a Cozinha Ao Vivo, apresentava aulas com chefs convidados seguidas de degustação. Além disso, dezenas de stands vendiam os mais variados cardápios com pratos que custavam entre R$ 20 e R$ 45. 

  

O conteúdo continua após o anúncio

Dadinhos de Tapioca / Lagosta com Purê de Banana / Tulipinhas de Frango / Arroz com Costela / Tilápia com Batatas / Filé Mignon ao Molho Madeira / Panturrilha de Porco com Arroz de Ora Pro Nobis / Coxinha de Camarão

Uma cena típica deste evento é ver as pessoas carregando sua própria garrafa de vinho, em sacolinhas próprias, e sua taça. Inclusive, um grande supermercado de Belo Horizonte montou um stand onde era possível comprar vinhos importados com preços variando entre R$ 35 e mais de R$300, e taças de vidro a R$15. Havia também stand vendendo vinhos a partir de R$ 75 com duas taças de acrílico. A cerveja artesanal também fez bonito na festa, com preços variando entre R$8 e R$28.

 

O esquema de limpeza também funcionou bem, com muitas lixeiras espalhadas no local do evento e equipe de recolhimento do lixo bastante ativa, garrafas vazias e descartáveis não davam sopa na mesa.

Resultado: turista satisfeito, rede hoteleira lotada, economia aquecida e energia renovada para mais uma semana de trabalho.

Siga-nos no Instagram e Facebook. Conheça nosso site com opções de menu clicando aqui

Claudia Figueiredo

Claudia Figueiredo

Jornalista e Radialista. Cozinheira por amor e por encomenda. Autora do livro "Na Cozinha com Claudinha" e organizadora do livro "Os Segredos do Fátima Buffet". Blogueira do www.gastrocomamor.com.br

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia