O que vi e comi no Festival Gastronômico de Ibitipoca

O Pé na Estrada Antuérpia participou do Festival de Gastronomia de Ibitipoca. Confira como foi esta experiência.

Por Claudia Figueiredo

01/11/2017 às 12h10 - Atualizada 01/11/2017 às 12h52

O Pé na Estrada Antuérpia participou do Festival de Gastronomia de Ibitipoca, um evento da Rede Ibitipoca Turismo e Hospitalidade, em parceria com a Prefeitura de Lima Duarte, provando e harmonizando os sabores da Serra com as Cervejas Antuérpia, nos dias 21 e 22 de outubro. Subir a Serra de Ibitipoca nunca foi tão fácil. Nesses 32 anos que frequento o lugar, é a primeira vez que a estrada estava em plenas condições de tráfego. E, para um lugar em que o turismo é a principal fonte de renda, isso é fundamental.

Turismo Rural

Antes de pegar a estrada que liga Lima Duarte ao arraial de Conceição de Ibitipoca, paramos para almoçar na simpática Casinha Turismo Rural comandada pela família Campos. Eles transformaram a propriedade familiar em um restaurante que também é pesque-pague e mini-fazenda, com cabritos, porcos, gansos, patos, galinhas, cavalos, vacas leiteira e gado de corte. Além da farta comida servida no fogão à lenha, com direito a sobremesa, é possível pescar o próprio peixe e comer frito no restaurante. Quase tudo vem da fazenda: hortifrutigranjeiros, leite, queijo, ovos, galinha, porco e a carne de boi, abatida em Juiz de Fora e comercializada no açougue da família em Lima Duarte. Os administradores fazem questão de utilizar tudo fresco e nada de congelados. O local funciona aos sábados e domingos, a partir de 09h às 18h. Para chegar, é só prestar atenção na faixa que existe na entrada, próximo ao 160 km, na BR-267, entre Juiz de Fora e Lima Duarte.

Fotos: Claudia Figueiredo

Papo cheio, pé na estrada

Chegamos em Conceição de Ibitipoca no começo da tarde, quando o Sítio Urucum já assava, em fogo de chão, duas bandas de cordeiro sob o comando do Chef Mateus Abdo. Ao lado de linguiças e generosas fatias de pernil de cordeiro, a carne assou o dia todo esticada na ferragem encravada na grama. Já começava a escurecer quando provamos seu sabor suculento acompanhada por batata assada, farofa e molho.

Festins Gastronômicos

Oliva Bistrô

Enquanto isso, no Oliva Bistrô acontecia o Festim a 4 mãos, comandado pela Chef do local Ana Paula Esteves e o Chef Beto Zaiden. A entrada foi um ‘carpaccio’ de pupunha com pesto de manjericão, ‘confit’ de tomatinho cereja, mini brotos e sementes de abóbora tostadas. E a sobremesa, arroz doce com especiarias e lascas de coco, adoçado finamente com doce de leite em fogão a lenha, servido em leito de abacaxi grelhado.

Serra do Ibitipoca Hotel e Lazer

À noite, fomos recebidos no maravilhoso Serra do Ibitipoca Hotel e Lazer, inaugurado no reveillon de 1999, onde está a primeira Reserva Particular do Patrimônio Natural da região, com 50 mil m². O cortês anfitrião, José Cândido Gonçalves, preparou uma noite com menu de quatro tempos, orquestrados pelos Chefs Flávio Trombino, do restaurante Xapuri, em Belo Horizonte, e Rofolfo Mayer, do Angatu, de Tiradentes.

Chefs Rodolfo Mayer e Flavio Trombino com o anfitrião José Cândido Gonçalves, do Serra do Ibitipoca Hotel e Lazer

O menu iniciava com dois petiscos: Biscoito de cebola assada, ricota e picles, e Bolinhos do Edgar e do Targino (bolinho com recheio de banana-da-terra com marreco e empanado na farinha da casca da jaboticaba).

De entrada, também foram servidos dois pratos: Sopa de tomate defumado, yacon, chouriço, baru e manjericão, e Truta defumada na madeira de macieira, purê de alcachofras e espuma de limão.

O prato principal foi Peito de boi e tamarindo, batata doce em duas texturas e verduras mineiras.

Fechando a noite, foi servido Quindim, sorbet de bala Laika e açúcar pop como sobremesa.

No domingo, o Serra do Ibitipoca Hotel de Lazer abriu suas portas para mais duas criações dos chefs. Rodolfo Mayer preparou um Arroz de costela feito ao vivo em paelleira e Flávio Trombino cozinhou uma Língua defumada no caldeirão servido com aligot de mandioca.

Os Chefs Rodolfo Mayer e Flavio Trombino, presenteados com Cervejas Antuérpia

Rocambole

O conteúdo continua após o anúncio

No dia seguinte, começamos nosso desjejum na Pousada Pasto do Lambari. No salão de café, há lareira para os dias frios, onde são servidos café, leite, sucos, bolos, variados pães, frutas, frios e geleia. A pousada preparou o delicioso Rocambole da Gi para esta edição do festival, mas de tão bom, deveria entrar para o cardápio da casa. #ficaadica
Panc

Visitamos a Feira Alegrias de Quintal que comercializa produtos sem agrotóxicos, na estrada que sobe para o Parque Estadual de Ibitipoca, como feijão, mel, hortaliças e muitas PANC´s (Plantas Alimentícias Não Convencionais). Aliás, as PANC´s foram base da paella preparada pelo Chef Caíque Fonseca, do Daus Haus, que também estava na vila apresentando sua culinária alemã.

Tenda

Uma grande tenda abrigava vários expositores e produtores. Entre outros stands, marcaram presença por lá o Laticínio Serra Negra (com queijos e doce de leite), Cachaça Duque, Bolinhos do Bigols (de torresmo e de mandioca), Red Hot Grilo Peppers (com molhos incríveis de pimenta), O Trem (com pastel de angu e massas secas), pães de canela, além de cervejas especiais, com destaque para as Cervejas Antuérpia, retiradas diretamente das torneiras do Truck pilotado por Dudu Guedes.

Para quem quisesse aprender mais, houve vários cursos e harmonizações promovidos pelo Senac e outros parceiros do festival, na Escola Municipal Padre Carlos, além de momentos culturais com performance do divertido grupo Grão de Circo, no sábado, e show de Roger Resende e Maíra Delgado, com o melhor do samba brasileiro, no domingo.

Varandas

O almoço de domingo foi servido no fogão à lenha foi no Restaurante Varandas. Tive a impressão de estar chegando na casa de vó, com plantas na floreira, quadrinhos na parede e cerca de madeira. Nas panelas, deitavam à espera de fartas colheradas, verdadeiros pratos mineiros como feijão tropeiro, mandioca frita, frango ensopado com batata, couve, torresmo, costela, angu, entre outros. A comida, saborosa, fresca e farta, é preparada pelas cozinheiras Dôra e Elizete.

Outros restaurantes de destaque em Ibitipoca, e já de conhecimento do público, são o Ibitilua e o Cleusa´s Bar, bem no coração do arraial e point dos que frequentam a Serra.

Nomes mineiros

Em homenagem aos nomes mais tradicionais de Minas Gerais, os Chefs Martinho Caetano, de Santos Dumont e Érika Timponi, de Barbacena, criaram o prato Mariinha, Conceição e Zé Pequeno para o Armazém do Sabor. Trata-se de um Caldo de abóbora com queijim de pipoca; massa artesanal com ragu da terra, raspas de pinhão, tricô de moça e capuchinha e brigadeiro de banana com ora-pro-nobis cristalizado.

Harmonização com Antuérpia

Ao longo do festival, promovemos algumas harmonizações com os pratos servidos e cervejas Antuérpia. Algumas mostramos aqui. Desta vez, escolhemos os pratos de influência germânica do Chef Caíque Fonseca, do Das Haus Comedoria: Paella Panc com ANTUÉRPIA TABLA – AMERICAN IPA, cujo amargor intenso, porém equilibrado, com notas de cítrico, floral e frutado harmonizou com as notas aromáticas do ora-pro-nobis presente no prato; e Joelho de porco defumado (Eisbein) com batata frita e chucrute harmonizado com ANTUÉRPIA MUNICH DUNKEL, uma cerveja rica de malte tostado e lúpulo levemente presente.

 

Claudia Figueiredo

Claudia Figueiredo

Jornalista e Radialista. Cozinheira por amor e por encomenda. Autora do livro "Na Cozinha com Claudinha" e organizadora do livro "Os Segredos do Fátima Buffet". Blogueira do www.gastrocomamor.com.br

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia