Um Giro Pelo México: quase tudo lá, no mundo dos autos, é melhor que no Brasil

Por Dudu Mazzei

31/08/2017 às 23:38hs - Atualizada 09/09/2017 às 22:58hs

Para o Brasil ter estradas iguais às do México, só desmanchando e fazendo tudo de novo!  E olha que a  situação econômica e social do México é bem parecida com a do nosso país.

Lutam com muita dificuldade para enfrentar a corrupção, o tráfico de drogas, a violência, a desigualdade social, a miséria e tudo mais que estamos cansados de sofrer diariamente no Brasil.

A impressão que eu tive é que lá as coisas funcionam melhor. As polícias federal, estadual ou municipal são bem mais equipadas que as nossas. Dá para notar pelos veículos e armamentos empregados no dia-a-dia.

A polícia mexicana tem viaturas “de responsa”. Mesmo no interior do país. Foto: Dudu Mazzei

Bem, como sou do “ramo” dos automóveis e quase não manjo nada de política e de economia, vou voltar ao assunto que me deixa mais à vontade…

Com relação ao universo dos veículos em geral, na minha opinião, em quase tudo eles ganham da gente. Vou enumerar as principais vantagens que eu percebi no México.

1)    Qualidade dos combustíveis: diesel e gasolina são de excelente qualidade. Diesel é diesel, sem misturas e puro. Gasolina é sem adição de álcool anidro. Você paga GASOLINA e leva o produto exatamente como ele deve ser. Enquanto isso, no Brasil….

Kia Sportage: lá, cerca de R$90 mil. Aqui, mais de R$130 mil. Foto: Dudu Mazzei

2)    Custo x benefício dos combustíveis: se eles têm qualidade melhor, o rendimento deles é muito maior. Um mesmo carro que no México faz 12,5 km/l, aqui no Brasil não chega nem a 8 km/l. Com isso se reduz a quebra, desgaste, poluição, gastos com manutenção corretiva etc.

O que é melhor? Pagar R$5,30 (preço médio) na gasolina premium no Brasil com mistura de 25% de álcool anidro, ou o equivalente a R$3,40 na Premium do México, que é pura e de alta qualidade? Nem precisa responder….Foto: Dudu Mazzei

3)    Diversidade de marcas de automóveis: mesmo com a predominância da Nissan, várias montadoras se destacam e a qualidade dos veículos é visível. A concorrência entre as montadoras parece ser maior por lá. E os impostos, sendo menores, quem você acha que ganha no final das contas?

A diversidade de marcas e modelos é muito grande. Maior concorrência entre as montadoras e leque de opções interessantes para os consumidores. Foto: Dudu Mazzei

4)    Leque de opções de modelos: no caso de veículos comerciais, quem precisa de uma picape ou caminhão leve, pode optar por  um com motor movido a gasolina. É mais barato. O custo do km rodado com gasolina é mais vantajoso. E vai pagar bem menos do que pagamos por similares a diesel no Brasil.

Toyota Tacoma TRD Sport. Linda de viver! Foto: Dudu Mazzei

5)    Qualidade do piso das ruas: nas cidades que visitei, vi muitas com piso de concreto. Mais resistentes, duráveis, limpos e muito menos buracos. Quando precisa ser aberto, para um reparo na rede de esgoto, por exemplo, ele é cortado com serra circular (uma “Makita gigante”).Depois o remendo é fácil de ser feito e não deixa imperfeições.

O conteúdo continua após o anúncio
Na maioria das cidades, as ruas são de concreto. Pouquíssimos buracos, alta resistência e excelente durabilidade. Foto: Pepê Mazzei

6) Qualidade das estradas: se você optar por pagar pedágio (lá eles também são caros), terá em troca  uma rodovia de ótima qualidade.  Construídas com capricho, modernas e seguras. Se optar pelas “libres”, terá vias também confiáveis. Algumas até melhores que as que pagamos pedágio no Brasil.

O pedágio mais caro que vimos por lá: o equivalente a R$22,50. Foto: Dudu Mazzei

 

Lá você pode optar pela estrada Cuota com pedágio (que é caro) ou pela Libre (de graça) que é muito melhor que muitas rodovias pagas do Brasil. Foto: Dudu Mazzei

 7) Oferta de auto peças de renome mundial: a (boa) influência dos EUA leva ao México marcas de peças que poucos conhecem por aqui. A maioria de excelente qualidade e custo bem menor.

Lojas de peças de automóveis vendem marcas poderosas por lá e desconhecidas no Brasil. Fiquei louco quando entrei nessa loja enorme, que vende de tudo. Desde peças até ferramentas e equipamentos. Para todo tipo de consumidor, amador ou profissional. Foto: Dudu Mazzei

 8) Lá, mais é menos: um carro com motor V6 no México consome a mesma coisa do que o mesmo veículo com motor 4 cilindros no Brasil. Um motor 1.6 lá, consome menos que o “mesmo” motor na versão 1.0 daqui. Culpa de quem? Será da qualidade do nosso combustível? O que você acha?

Combustível ótimo e motor moderno. Segundo Jesus, motorista do Uber que viajou com a gente, seu VW Vento 1.6 2017, faz até 24km/l em trânsito urbano, livre de congestionamentos. Foto: Dudu Mazzei

Conheça as curvas inclinadas do México no vídeo abaixo:

 

Para termos uma qualidade de vida melhor, vamos ter que repensar em um novo Brasil daqui para frente. Do jeito que a coisa está, não pode ficar…

Dudu Mazzei

Dudu Mazzei

Nascido e criado em JF, formado em Técnico de Mecânica no CTU da UFJF, mecânico desde 1984, tenho uma oficina de carros desde 1986, sou jornalista e fotógrafo desde 1989. Participo de provas de automobilismo há mais de 35 anos como mecânico/preparador, fotógrafo ou jornalista. Às vezes, todas as funções ao mesmo tempo. Sou também consultor automobilístico e instrutor de mecânica de autos.

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia