Um Giro Pelo México: rolé com Dodge Durango ll 2004

Por Dudu Mazzei

20/08/2017 às 18h09 - Atualizada 20/08/2017 às 18h17

Dodge Durango II V8 2004 por R$17mil…no México!

Pra quem não sabe, o povo mexicano se parece muito com o (bom) povo brasileiro. Eles são – na maioria, calorosos, carinhosos e muito atenciosos. Alguns conhecidos nossos de certa data, emprestaram carros bacanas para eu e meu filho Pepê darmos umas voltinhas. A ideia era de experimentar os bólidos e depois passar nossas impressões e opiniões para você, leitor deste blog.

Dodge Durango

Neste primeiro rolé, andei em uma Dodge Durango II (segunda geração) ano 2004 com um espetacular motor Hemi V8 de 5,7 litros, ou para quem prefere, 5.700 cilindradas. Verdadeira usina, que esbanja potência – 350 hp e possui o que mais gosto: excelente torque em “qualquer” rotação do motor.

Estilo marcante, bruto. Porém refinado e elegante. Um carro inesquecível para mim. Foto: Dudu Mazzei

Em suas três fileiras de bancos, transporta com conforto e segurança, sete pessoas. Oferece várias configurações (posições) de assento e encosto, permitindo  melhor aproveitamento do espaço para se transportar objetos e passageiros. O material empregado no seu interior é resistente, tem acabamento caprichado e ainda por cima, agradável.

O espaço interno é um dos destaques. A fileira de bancos “do meio” abriga três passageiros com relativo conforto, sem comprometer os outros ocupantes das outras fileiras. Foto: Dudu Mazzei

Qualidade não tem idade

Incrível como um carro com 14 anos de uso ainda se encontra em bom estado de conservação. Seu único dono a preserva muito bem. Tudo na Durango funciona perfeitamente. Nenhum ruído anormal ou vibração. Ótimo para um veículo com quase 150 mil km rodados. Eu sempre digo:  carro bem tratado, agradece ao dono e ao reparador também!.

Os materiais de todo o interior são resistentes e de excelente qualidade. E o design se mantém atual e agradável. Foto: Dudu Mazzei

Consumo de combustível

Para o nosso rolé, completamos o tanque com gasolina de alta octanagem, pois o dono nos disse que sempre usou este combustível. No México existem duas (excelentes) opções: a comum e premium. São puras, sem adição de álcool. Você paga gasolina e leva GASOLINA PURA!!! Com isso, o rendimento do motor é otimizado. O consumo médio da Durango em uso cidade/estrada gira na faixa de 12,5 km/l. Sim, você leu certo! Doze quilômetros e meio com um litro de gasolina!

Câmbio

O câmbio automático com alavanca seletora na coluna de direção conversa amistosamente com o motor, que é forte e elástico. A coluna, por sinal, é regulável, assim como os pedais de freio e acelerador. De novo: sim, você leu certo! Os pedais são ajustáveis na profundidade. Sobem ou descem ao gosto do motorista.

O sistema de som original será substituído em breve por um kit multimídia de última geração. Foto: Pepê Mazzei

Mesmo grandalhona, a Durango é fácil e agradável de dirigir e de manobrar. Esbanja conforto e segurança. Logicamente, tem (vários) air bag e freio com ABS.

O conteúdo continua após o anúncio
Nos controles do sistema do condicionador de ar da cabine, destaque para o aquecimento e/ou resfriamento dos bancos. Excelente item de conforto! Foto: Pepê Mazzei

 Há dois anos fizemos longas viagens nela, com sete pessoas e bagagem. Suspensão macia e boa de curva, conta com rodas e pneus com dimensões adequadas até mesmo para as nossas estradas brasileiras, que são piores que as do México, na maior parte dos casos.

Rodas grandes e pneus de perfil alto auxiliam no conforto e estão bem sintonizados com a suspensão forte e muito estável. Foto: Dudu Mazzei

Conclusão

 O que dizer mais deste carro que testamos, que avaliado e com seu valor convertido em reais, custaria no Brasil em torno de R$17mil??? Com este valor dá até para comprar um carro por aqui – também 2004, porém bem menos provido de recursos técnicos, espaço, conforto, segurança etc. Um “menos tudo”.

Que inveja dos mexicanos que curtem automóvel! Rodar em excelentes estradas, gasolina de ótima qualidade e em uma Dodge Durango com 13 anos de uso pagando por ela cerca de R$17 mil…

Nas fotos, mais detalhes desta apaixonante viatura de “responsa”!

Se você tiver alguma dúvida ou crítica, deixe aí nos comentários que eu respondo com muita satisfação, ok? Gosto muito mesmo.

Nos vídeos, os mais sensíveis terão melhor noção do que eu tentei passar nesta postagem.

 

Dudu Mazzei

Dudu Mazzei

Nascido e criado em JF, formado em Técnico de Mecânica no CTU da UFJF, mecânico desde 1984, tenho uma oficina de carros desde 1986, sou jornalista e fotógrafo desde 1989. Participo de provas de automobilismo há mais de 35 anos como mecânico/preparador, fotógrafo ou jornalista. Às vezes, todas as funções ao mesmo tempo. Sou também consultor automobilístico e instrutor de mecânica de autos.

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia